Quinta-feira, 30 de Junho de 2022

Home em foco Brasileira viaja à Holanda para passar fim de ano com familiares e acaba surpreendida com lockdown

Compartilhe esta notícia:

Depois de quase dois anos sem poder viajar para o exterior por conta da pandemia, a advogada Juliana Saraiva, de 40 anos, finalmente pôde entrar em um avião outra vez e desembarcar em Amsterdã, onde vai passar as festas de fim de ano com a família.

No entanto, a covid-19 voltou a atrapalhar os planos dela no domingo (19), quando a Holanda decretou um novo lockdown durante o Natal e o Ano Novo para tentar conter o avanço da variante ômicron.

Juliana mora em Sorocaba, no interior de São Paulo, e pretende ficar na Europa até o dia 5 de janeiro. A viagem teve início em Londres, na Inglaterra, na semana passada. Após passar as datas festivas com os familiares, que moram na Holanda há três anos, a advogada ainda pretende ir para a Alemanha.

De acordo com Juliana, os dados oficiais indicam que o número de novas infecções vem crescendo bastante na Holanda. Por isso, a temida quinta onda da covid-19 pela ômicron já é considerada uma realidade no país.

“Para evitar uma crise sanitária, o país está sendo pioneiro na Europa em restringir de forma radical o funcionamento do comércio não essencial. Tudo aqui é muito rápido e eficiente”, explica.

Quando Juliana chegou a Amsterdã, há poucos dias, as restrições eram mais leves: comércio, alimentação e atrações turísticas, por exemplo, estavam liberados para funcionar até 17h, mas alguns estabelecimentos exigiam teste PCR para liberar a entrada.

No sábado (18), a advogada conseguiu fazer um passeio de barco pelo canal e assistir ao Light Festival, em seu último dia de funcionamento. Na mesma noite, segundo a sorocabana, houve um pronunciamento oficial do primeiro-ministro holandês Mark Rutte sobre o lockdown, que passou a valer já no domingo.

Segundo o chefe de gestão da epidemia do governo holandês, Jaap van Dissel, a previsão é de que a ômicron ultrapasse a variante delta e se torne dominante na Holanda até o fim do ano.

Novas medidas

Após o anúncio, ficou determinado que lojas, restaurantes, bares, cinemas, museus e teatros não são essenciais e, portanto, não podem funcionar até o dia 14 de janeiro, enquanto as escolas devem manter as portas fechadas até pelo menos 9 de janeiro.

Fora isso, o número de convidados que as pessoas podem receber em suas casas foi reduzido de quatro para dois, exceto no dia de Natal, 25 de dezembro.

“Atualmente, todo o comércio não essencial está fechado. Porém, não houve restrições de circulação, podemos ir ao supermercado, farmácia, frequentar parques e lugares abertos ao público. Aqui não é obrigatório o uso de máscaras em locais públicos. Esse é o lado bom”, continua.

Para Juliana, a sensação de ficar confinada em um país diferente durante uma viagem de fim de ano, sem poder conhecer os pontos turísticos, é como um ‘balde de água fria’.

“É bem frustrante. Por isso, estamos procurando passeios alternativos ao ar livre, mas Amsterdã é uma cidade linda e a contemplação faz a frustração reduzir, além da alegria de estarmos em família.”

“Também optamos por viajar para a Alemanha. Ficaremos uns dias em uma estação de esqui a três horas de Amsterdã. Os países vizinhos não implementaram medidas tão severas como a Holanda, mas o efeito dominó é certo”, conta.

No momento, não existe nada que impeça a entrada e a saída de visitantes da Holanda com destino à Alemanha, o que não atrapalharia a terceira parte da viagem. Além disso, quando deixar a Europa, a advogada pretende fazer um exame de covid-19 por conta própria, além de ficar em quarentena assim que chegar ao Brasil. “Acho que precisamos dessa consciência”, diz.

Vacinada

Em julho de 2020, Juliana e o pai, que tinha 81 anos na época, contraíram o coronavírus. Ela teve apenas sintomas leves (febre, cansaço extremo, dores fortes no corpo, e perda de olfato e paladar) e não precisou de internação, mas ele não resistiu à doença.

A advogada já recebeu as duas primeiras doses da vacina da AstraZeneca no Brasil e tentou tomar o reforço antes de viajar para a Europa, mas o prazo de quatro meses ainda não foi atingido.

“O medo de contrair a variante ômicron existe, mas agora estou mais tranquila, pois, além de já ter sido contaminada, tomei as duas doses de vacina. Além disso, seguimos com todos os cuidados necessários: usando máscara em locais fechados e evitando aglomerações”, completa.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Americanos fazem fila para receber kits de testes rápidos
Anatel dará decisão sobre satélites de Elon Musk só em 2022
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde