Domingo, 07 de Agosto de 2022

Home Variedades Britânicos aprovam que Camilla seja rainha quando Charles assumir trono

Compartilhe esta notícia:

Quase duas décadas depois de Camilla Parker-Bowles se casar com o príncipe Charles, parece que os britânicos estão finalmente preparados para aceitar a duquesa da Cornualha como rainha após o reinado de Elizabeth II.

É isso o que aponta uma nova pesquisa da JL Partners para o jornal Daily Mail. Ao entrevistar 1.054 adultos no Reino Unido, o estudo descobriu que 55% das pessoas são a favor de que Camilla seja conhecida como rainha consorte no futuro, enquanto 28% foram contra essa ideia e 17% não tinham uma opinião formada sobre o assunto.

Além disso, 44% dos participantes apontaram que sua visão sobre a duquesa de 74 anos se tornou mais positiva na última década (e 46% declararam não terem sentido nenhuma diferença nesse aspecto).

O resultado positivo vem após Elizabeth II declarar publicamente o seu desejo em ver a nora de 74 anos ser tratada como rainha consorte assim que Charles assumir o trono britânico. Em uma declaração, a monarca acrescentou: “Quando, na plenitude do tempo, meu filho Charles se tornar rei, eu sei que vocês darão a ele e à sua esposa Camilla o mesmo apoio que me deram”.

Apesar da pesquisa indicar uma maior aceitação de Camilla anos depois de ela ser apontada pela imprensa britânica como o “pivô” do fim do casamento de Charles com a princesa Diana, 58% dos participantes do estudo também declararam que Lady Di seria “uma rainha melhor”. Apenas 16% escolheram Camilla em vez da mãe dos príncipes Harry e William, que faleceu em 1997.

A duquesa de Cornualha e Charles também tiveram menos popularidade do que William e Kate Middleton na pesquisa: 68% acreditam que o casal mais jovem seria uma liderança melhor para o Reino Unido.

O estudo ainda investigou a aprovação geral dos membros da família real britânica. Entre março de 2021 e agora, Elizabeth, William, Kate, a princesa Anne, Charles e Camilla passaram a ser mais valorizados, enquanto Harry e Meghan Markle (que fizeram críticas públicas a membros da monarquia) e o príncipe Andrew (que é acusado de abuso sexual) perderam apoio.

Trauma

Elizabeth II tem sido muito elogiada desde que declarou publicamente desejar que Camilla Parker-Bowles se torne rainha consorte “quando chegar a hora”. Segundo um historiador real, a monarca tem fortes motivos para isso.

As informações são da revista People e do Daily Express. De acordo com Robert Lacey, especialista e estudioso da família real britânica, Elizabeth II, de 95 anos, tem como base para a decisão a perda recente do marido, o príncipe Philip, que faleceu em abril do ano passado aos 99 anos.

“Na mensagem, ela estava reconhecendo sua própria mortalidade e olhando para o futuro”, aponta o historiador. “E então, com o falecimento do príncipe Philip, ela está considerando os sacrifícios e dificuldades de ser consorte”, relatou ao explicar o trauma de Elizabeth.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Variedades

Agência de testagem confirma doping da patinadora russa Kamila Valieva, de 15 anos, fenômeno em Pequim
Aeroporto deve pagar tratamento veterinário da cachorra que estava perdida
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde