Segunda-feira, 04 de Julho de 2022

Home Ciência Buraco negro fotografado não oferece riscos ao planeta Terra, diz astrônoma

Compartilhe esta notícia:

Em entrevista à CNN, a astrônoma Catarina Aydar afirmou que o buraco negro registrado pelo consórcio internacional Event Horizon Telescope (EHT) não representa riscos ao planeta Terra, ainda que ele também se encontre na Via Láctea.

“Ele é o mais próximo de nós, mas mesmo assim ele está bem longe. Não é um risco para a gente que está aqui na Terra. A Terra não é diretamente influenciada por ele, mas, ao mesmo tempo, ele é o que está mais próximo para a gente fazer observação”, afirmou.

Um trabalho gigantesco, que envolveu centenas de cientistas, 5 anos de investigações e telescópios espalhados por oito lugares diferentes do planeta foi capaz de captar as primeiras imagens do Sagittarius A*, um buraco negro localizado no centro da Via Láctea, a galáxia em que se encontra o nosso Sistema Solar.

Os cientistas que fizeram parte do esforço internacional explicaram que o Sagittarius A* está suficientemente longe de nós (26 mil anos-luz, para ser mais exato) para representar ameaça futura.

Por outro lado, não está descartada a hipótese de nossa galáxia se fundir ou “colidir” com outra em alguns bilhões de anos, o que poderia aproximar perigosamente a Terra de um buraco negro. Vale destacar que esse é um cenário bastante improvável — e sobre o qual teríamos muitos avisos e alertas antes que algo ruim dessa magnitude virasse realidade.

No coração

O Sagittarius A*, também conhecido pela sigla SgrA*, é um gigantesco buraco negro que vive no centro da nossa galáxia, a Via Láctea.

O objeto tem impressionantes quatro milhões de vezes a massa do Sol e foi retratado pela primeira vez graças a um esforço colaborativo de centenas de cientistas, reunidos no projeto Event Horizon Telescope (EHT).

Na imagem divulgada pelo grupo, é possível ver uma região escura central onde reside o buraco negro, circundada por um anel de luz proveniente do gás superaquecido acelerado por imensas forças gravitacionais.

Para se ter uma ideia, esse anel é aproximadamente do tamanho da órbita de Mercúrio em torno de nossa estrela, o Sol. Isso representa cerca de 60 milhões de quilômetros de diâmetro.

Felizmente, este “monstro” está muito, muito longe — cerca de 26 mil anos-luz de distância.

Essa é a segunda imagem do tipo a ser divulgada pelo EHT. Em 2019, o grupo compartilhou uma imagem de um buraco negro gigante que está no coração de outra galáxia, chamada de Messier 87, ou M87. Essa estrutura é mais de mil vezes maior que a SgrA*, com 6,5 bilhões de vezes a massa do Sol.

“Mas a nova imagem da SgrA* é especial porque trata-se do nosso buraco negro supermassivo”, avalia o professor Heino Falcke, um dos pioneiros por trás do projeto EHT, à BBC News.

“Esse buraco negro está no ‘nosso quintal’, e se você quiser entender como essas estruturas funcionam, o SgrA* é que vai te dizer, porque conseguimos visualizá-lo em detalhes”, complementa o cientista alemão-holandês, que trabalha na Universidade Radboud, na Holanda.

O que é?

Um buraco negro é uma região do espaço onde a matéria entrou em colapso sobre si mesma. A atração gravitacional ali é tão forte que nada, nem mesmo a luz, pode escapar. Buracos negros costumam surgir a partir da morte explosiva de grandes estrelas. Alguns são realmente enormes e possuem bilhões de vezes a massa do Sol.

A ciência ainda não sabe como essas estruturas monstruosas — encontradas geralmente nos centros das galáxias — se formaram ou o que acontece dentro.

A massa de um buraco negro (parte mais escura da imagem) determina o tamanho de seu disco de acreção (aro laranja ao redor), ou o anel de emissão. O buraco está na depressão de brilho central. Sua “superfície” é chamada de horizonte de eventos, a fronteira dentro da qual até mesmo um raio de luz é dobrado sobre si mesmo pela curvatura no espaço-tempo.

As regiões mais brilhantes no disco de acreção são onde a luz ganha energia à medida que se move em nossa direção, e acredita-se que é impulsionada pelo doppler, um efeito físico de ondas refletidas ou emitidas por um objeto, que estão em movimento em relação a quem está observando.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Três em cada quatro posts de influenciadores sobre comida são de alimentos pouco saudáveis
Tombo da Netflix indica que “farra” do streaming pode estar perto do fim
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde