Terça-feira, 05 de Julho de 2022

Home em foco Câmara de Curitiba cassa mandato de vereador do PT que invadiu igreja

Compartilhe esta notícia:

A Câmara Municipal de Curitiba (CMC) aprovou, nesta quarta-feira (22), em segundo turno, a cassação do mandato do vereador Renato Freitas (PT) que liderou protesto na igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de São Benedito.

O ato foi em protesto pela morte do congolês Moise Mungenyi Kabagambe, espancado até morrer aos 24 anos, no Rio de Janeiro (RJ); e em memória de Durval Teófilo Filho, de 38, morto pelo vizinho, um sargento da Marinha, por ter sido confundido com um assaltante enquanto chegava do trabalho, também na capital fluminense.

A cassação foi aprovada por 25 votos a 5, com duas abstenções.Após o projeto de resolução ser promulgado pela Mesa Diretora da CMC, ele será publicado no Diário Oficial do Município e passa a valer. Cumprida essa etapa, a Câmara de Curitiba vai declarar vago o posto com o prazo de cinco dias úteis para a convocação do suplente e, mais cinco dias para a posse.

Segundo o relator do processo de cassação, o vereador Sidnei Toaldo (Patriota), Freitas perturbou o culto religioso e realizou ato político dentro de um templo.

O caso provocou comoção nacional e o presidente Jair Bolsonaro aproveitou para acenar a seus apoiadores religiosos. Na época, Bolsonaro pediu uma investigação dos responsáveis pelo ato. A Arquidiocese de Curitiba registrou Boletim de Ocorrência contra Freitas e, segundo a Polícia Civil, o caso permanece sendo investigando.

Em sua defesa, Freitas tem dito que não invadiu o templo católico, que é um marco da cultura negra na capital paranaense por ter sido erguido por escravos no século 18. Ele afirma que apenas entrou no templo, de forma pacífica, quando a missa já estava perto do fim.

Em seu Instagram, o jovem listou algumas evidências de que vinha sofrendo perseguição na Câmara, entre elas o fato de esta não ser a primeira vez que tentavam cassar o seu mandato. A primeira vez, segundo Freitas, foi quando se manifestou contra a cloroquina e a outra quando protestou contra o assassinato de Beto Freitas no estacionamento de uma loja do Carrefour em Porto Alegre.

Sobre o processo deste ano, o parlamentar afirma que o regimento garante ao acusado ser julgado por nove membros Conselho. Ele alega que no seu caso, apenas sete estavam aptos a votar ao final dos depoimentos.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ex-ministro Milton Ribeiro recebeu R$ 50 mil na conta de sua mulher, admite advogado
Justiça Eleitoral simboliza eleições limpas, seguras e auditáveis, diz ministro Barroso
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada