Terça-feira, 05 de Julho de 2022

Home Política Ex-ministro Milton Ribeiro recebeu R$ 50 mil na conta de sua mulher, admite advogado

Compartilhe esta notícia:

A defesa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, preso nesta quarta-feira (22), admitiu que houve um depósito de R$ 50 mil na conta de Myriam Ribeiro, mulher do ex-chefe da pasta. O advogado Daniel Bialski alegou que o valor seria oriundo da venda de um carro.

O valor estaria ligado aos pastores. O criminalista não comentou a relação do depósito com o ex-ministro, nem nomeou o autor do depósito.

Milton Ribeiro, Arilton Moura, o pastor Gilmar Santos, o advogado Luciano Musse e o ex-assessor da prefeitura de Goiânia Helder Bartolomeu foram presos nesta quarta. Contra o ex-ministro recaem suspeitas de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. Todos são investigados por favorecimento de pastores na distribuição de verbas.

Musse foi nomeado gerente de projetos em abril do ano passado pelo próprio ministro e atuava como apoio aos religiosos. Helder Bartolomeu é ligado a Arilton Moura.

A operação que apura a prática de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) foi batizada como “Acesso Pago” cumpre, ao todo, cinco ordens de prisão, solicitadas pela PF à Justiça. Além de Ribeiro, foram presos os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, que estão no centro do esquema sob suspeita.

A Polícia Federal informou que, com base em documentos, depoimentos e relatório de investigação preliminar da Controladoria-Geral da União (CGU), “foram identificados possíveis indícios de prática criminosa para a liberação das verbas públicas”.

Em nota, a CGU declarou que abriu uma investigação preliminar sumária em 23 de março de 2022 para “apurar a possível atuação irregular de agentes públicos e privados na intermediação de políticas públicas vinculadas ao Ministério da Educação”. A investigação terminou em 23 de maio.

“No decurso da Investigação Preliminar Sumária também foi identificada a prática de atos suspeitos por pessoas que não se submetem à competência correcional da Controladoria-Geral da União”, informou a CGU.

“Os indícios relacionados às condutas de tais pessoas foram, conforme a legislação de regência, devidamente encaminhados à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Tribunal Superior Eleitoral barra candidaturas avulsas ao Senado
Câmara de Curitiba cassa mandato de vereador do PT que invadiu igreja
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada