Sexta-feira, 21 de Junho de 2024

Home Economia Com pagamento instantâneo, e-commerce estrangeiro cresce no país

Compartilhe esta notícia:

Estudo recente da NielsenIQ Ebit em parceria com Bank of America revelou que o valor bruto dos produtos comprados por brasileiros em e-commerces internacionais foi cerca de R$ 22,7 bilhões, o que representa 21% do total de vendas no comércio eletrônico.

Os dados mostram ainda que 68% dos shoppers realizaram compras em sites estrangeiros no ano passado, evidenciando o crescimento no número de transações crossborder ― modalidade de negócio baseada na compra e venda de produtos de diferentes países.

De acordo com Fernanda Zago, uma das pioneiras em meios de pagamentos crossborder para o Brasil e CEO da WePayOut, fintech especializada no processamento de altos volumes de pagamentos no mercado brasileiro e internacional, é preciso considerar todas as particularidades do mercado em interesse e investir em uma operação robusta para o negócio funcionar.

“Para operar no Brasil, um mercado tão grande e complexo, há cinco fatores-chave que constroem essa proposta de valor: qualidade, eficiência, transparência, escalabilidade e segurança”, explica ela.

Já para empresas internacionais, um dos principais entraves ao ingressar neste mercado é a falta de clareza das taxas e custos envolvidos no processo. “Quando uma empresa decide investir no modelo crossborder, precisa escolher um parceiro de pagamentos com muita expertise para garantir uma operação sustentável, simples e rentável”, comenta.

O último relatório da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito) mostra que os gastos de brasileiros no exterior via e-commerce foram de R$ 18,6 bi em 2021, um crescimento de 10,6% em relação ao ano anterior. Já os gastos de estrangeiros no Brasil foram de R$13,3 bi, um crescimento de 25,7%.

Os dados reforçam o crescimento das operações de empresas brasileiras para clientes que vivem em outros países, assim como o crescimento de empresas estrangeiras que vendem para brasileiros. “A necessidade de ter uma estrutura de pagamentos crossborder é um caminho sem volta para quem quer expandir seus negócios”, explica Fernanda.

A WePayOut já incorporou o Pix como mais uma opção à sua carteira de soluções cross border, meio de pagamento utilizado por 71% da população brasileira, que registrou 430 milhões de chaves registradas, segundo o Banco Central. Em janeiro deste ano, o Pix contabilizou mais de R$ 1 bilhão de transações e se tornou o segundo meio de pagamento predileto dos brasileiros, atrás apenas do dinheiro em espécie, batendo recorde histórico de transações, com o movimento de R$ 73 milhões em apenas um dia, segundo Pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito, em parceria com o Sebrae.

Fernanda explica ainda que, ao somar o potencial dos pagamentos crossborder com a revolução do Pix, os comerciantes têm uma oportunidade maior de alavancar suas vendas para o Brasil com uma solução crossborder de pagamentos em tempo real, conseguindo a mesma experiência como se tivessem uma entidade legal no país.

“O mundo mudou e nós estamos acompanhando essas mudanças para oferecer aos nossos clientes, as soluções mais completas e rentáveis do mercado”, finaliza.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Crise imobiliária na Irlanda acerta brasileiros em cheio
“Não há condição do MDB apoiar Lula no 1º turno”, diz Temer
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias