Quarta-feira, 08 de Dezembro de 2021

Home em foco Criminosos colombianos usam as mesmas rotas da cocaína para despachar drogas sintéticas

Compartilhe esta notícia:

Em fevereiro, a DEA (agência antidrogas dos EUA) apreendeu um carregamento de metanfetamina nos portos de Los Angeles e Long Beach, na Califórnia. Escondida em contêineres, os agentes descobriram 1,7 tonelada da droga, que veio da América Central e seguia para a Austrália, passando por uma das rotas da cocaína usadas por narcotraficantes colombianos. Foi a maior apreensão do tipo até então, e um sinal de um fenômeno crescente.

Dominar uma rota do tráfico é tão importante quanto ter acesso à mercadoria. Uma de suas características é que elas mudam pouco ao longo do tempo. No século 19, os confederados fugiam dos impostos ao contrabandear algodão para o México, depois para a Europa. Junto com o algodão, eles levavam armas com as quais abasteciam Benito Juárez, caudilho mexicano que lutava contra os franceses.

Ao mesmo tempo, bandoleiros mexicanos usavam as mesmas rotas para roubar gado no Texas, remarcá-lo no México e revendê-lo aos americanos. Junto com a boiada, eles levavam tequila, pulque, mezcal e rum, um comércio ilegal que prosperou, principalmente durante a Lei Seca, nos anos 1920. Os pontos de passagem mais importantes eram Tijuana, Mexicali e Ciudad Juárez – praticamente os mesmo que hoje os cartéis usam para atravessar a cocaína para os EUA.

Usando a mesma lógica para obter mais eficiência na logística, o narcotráfico colombiano acrescentou a metanfetamina em sua carteira de produtos. A droga sintética passou a ser despachada para a Europa e EUA colada na cocaína, ainda o carro-chefe dos cartéis da Colômbia. O que mudou com a pandemia, segundo o Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC), foi um aumento das rotas marítimas e uma redução dos envios aéreos.

“As apreensões mais importantes de drogas sintéticas ocorreram em portos e aeroportos. As rotas são as mesmas (da cocaína) e a cadeia de comércio ilícito também”, diz o general da reserva Juan Carlos Buitrago Arias, autor do livro Os Princípios Não Se Negociam, sobre as máfias na Colômbia.

Entre as seis principais rotas da cocaína, segundo o governo colombiano, três usam a via marítima e duas têm paradas na América Central: as rotas do Golfo de Urabá-Chocó e do Pacífico Sul. As escalas facilitam o carregamento de metanfetaminas feitas no México, o maior produtor do mundo.

Na rota do Pacífico Sul, em dois minutos, o carregamento deixa a Colômbia e entra no Equador, na região do Rio Mataje, a mesma onde, em 2018, três jornalistas do diário equatoriano El Comercio foram sequestrados e mortos a mando de Walter Patricio Artízala Vernaza, conhecido como “Guacho”, chefe dissidente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Em navios, as drogas são escondidas em cargas, no casco ou em partes do convés. Autoridades americanas acreditam que os cartéis mexicanos usam as rotas da cocaína colombiana para traficar metanfetamina em pó ou líquida. Cartéis como Jalisco Nueva Generación, Golfo e Los Zetas fazem o envio para EUA e Europa.

De acordo com Buitrago, a fronteira com a Venezuela também é usada para o tráfico. “As dissidências das Farc ficaram de fora do processo de paz para manter o narcotráfico, que continua sendo sua única fonte de financiamento. E agora aproveitam a aliança com a Venezuela, onde se assentou o Cartel de Sinaloa (do México), principal comprador da cocaína que produzem.”

As regiões onde atuam dissidentes das Farc, chefiadas pelo ex-negociador Iván Márquez, são as que ainda apresentam cultivos ilícitos. “Eles estão em Cauca e Catatumbo, ou onde estão as rotas do Pacífico e na fronteira com a Venezuela”, explica o coronel da reserva da Colômbia John Marulanda.

Alta produção

A Colômbia continua sendo a maior produtora mundial de cocaína. Nos últimos três anos, quase 70% da droga apreendida na Europa veio do país. “Já existem organizações europeias e latino-americanas especializadas no comércio de drogas sintéticas em troca de cocaína e heroína”, disse Buitrago, sobre o aumento do tráfico de metanfetaminas.

Em 2020, a área colombiana ocupada por produção de coca chegou a 143 mil hectares, 7% menos do que o reportado um ano antes e 17% menos do que em 2017, quando foi o ponto mais alto da série histórica. No entanto, a produção da droga aumentou em 8%, passando de 1.058 toneladas, em 2017, para 1.228 mil toneladas, em 2020.

“Apesar da redução dos cultivos ilícitos, o aumento da produção de cocaína se deve à adoção de engenharia genética nos cultivos e nas sementes. Na mesma extensão onde antes se produzia uma colheita, agora se produzem até quatro ao ano”, diz Marulanda.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ministério da Saúde se prepara para vacinar crianças; Pfizer faz pedido
Instituições que representam os consumidores de energia do País cobram medidas efetivas do governo para resolver o que chamam de caos financeiro no setor
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada