Quarta-feira, 08 de Dezembro de 2021

Home em foco Críticas à filiação de Sergio Moro unem petistas e bolsonaristas

Compartilhe esta notícia:

A filiação do ex-ministro da Justiça Sergio Moro ao Podemos provocou reações entre políticos que apoiam o governo e petistas da oposição. Os comentários começaram a ser publicados no Twitter durante o discurso de Moro na cerimônia de filiação.

Em sua conta no Twitter, o deputado federal Eduardo Bolsonaro relembrou a fala de Moro de que nunca seria candidato.

O deputado federal Alexandre Padilha (PT) também lembrou a promessa de Moro de não entrar no meio político. Além disso, Padilha ainda escreveu que “Moro usou a justiça para perseguir Lula. Criou Bolsonaro, ganhou um Ministério como prêmio. Agora tenta se colocar como diferente daquele que andou lado a lado”.

Ricardo Salles, ex-ministro do Meio Ambiente, chamou Moro de traíra em uma publicação no Twitter.

Já o deputado federal Paulo Pimenta (PT) criticou o fato de que a primeira agenda do ex-juiz após a filiação foi “com setores do sistema financeiro e ruralistas”.

O deputado federal Filipe Barros (PSL) afirmou que “quando Moro mais precisou, Bolsonaro comprou sua briga e o apoiou totalmente”. Na publicação, Barros divulgou uma foto de Moro ao lado de Bolsonaro em jogo do Flamengo. Na época, o ex-ministro era acusado de interferir nas investigações da Lava Jato.

Jair Bolsonaro e Sergio Moro foram aliados durante as eleições de 2018. O ex-juiz foi ministro da Justiça do atual Governo, mas deixou o cargo em abril de 2020, acusando o presidente de interferir politicamente na Polícia Federal.

Bolsonaro critica Moro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ironizou o discurso de filiação de Sergio Moro ao Podemos e disse que o ex-juiz “não aprendeu” nada durante o período em que foi ministro da Justiça e Segurança Pública de seu governo.

Em conversa com apoiadores transmitida por um canal bolsonarista do Youtube, Bolsonaro ainda disse que Moro não “sabe o que é ser presidente”. Ao se filiar ao Podemos, o ex-juiz se colocou no cenário eleitoral, sendo considerado um potencial candidato à presidência em 2022.

“Vocês gostaram do discurso lido pelo cara ontem? O cara leu… Assisti porque foi meu ministro, né?”, disse Bolsonaro, afirmando que Moro “leu o discurso e tinha dois teleprompters do lado”.

Na conversa com apoiadores, Bolsonaro ainda disse que faltam “nomes” para concorrer às eleições em todo o Brasil. “A gente não vê nome em São Paulo… O que esta na mesa é um self service”, disse.

“Para presidente também… Se sair fora, sobra o que na mesa? Não falo que sou bom, mas o que está na mesa é intragável”, completou.

Bolsonaro já havia feito críticas a Moro anteriormente, quando disse em entrevista à Rádio Jovem Pan do Paraná que o ex-ministro sempre teve um propósito político, mas agia de forma camuflada.

Moro largou a magistratura no fim de 2018 para integrar o governo Bolsonaro como ministro da Justiça e Segurança Pública, sendo que deixou o cargo em abril de 2020 acusando o presidente de tentativa de interferência na PF (Polícia Federal).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Solto o piloto turco preso no Brasil em um jatinho que carregava mais de uma tonelada de cocaína
Sete cidades do Brasil podem sumir por conta do aquecimento global. Saiba quais
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada