Terça-feira, 25 de Junho de 2024

Home em foco De “Padre de festa junina” a “exorcismo”, veja os principais memes do debate na Globo

Compartilhe esta notícia:

O debate da Globo entre os candidatos à Presidência da República rendeu memes nas redes sociais. Padre Kelmon (PTB) foi quem mais gerou brincadeiras durante o encontro entre os presidenciáveis.

Durante o debate, Kelmon teve seu nome confundido pela candidata Soraya Thronicke (União Brasil), que também o chamou de “padre de festa junina”. Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi outro que alfinetou o candidato do PTB à presidência. “Você não é padre, você está fantasiado.”

As vestimentas de Padre Kelmon também voltaram a chamar a atenção, assim como no último sábado (24), ao participar do debate promovido pelo Estadão, Rádio Eldorado e outros veículos de imprensa. Kelmon chegou na disputa presidencial como vice de Roberto Jefferson e assumiu a cabeça de chapa após Jefferson ter sua candidatura impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Padre Kelmon (PTB) não pontua nas pesquisas de intenção de voto, mas participou dos dois últimos debates entre presidenciáveis na televisão, tanto o da TV Globo, na quinta-feira (30), quanto o do Estadão/SBT, no sábado. O que assegurou a sua presença, enquanto o Constituinte Eymael (DC), Léo Péricles (UP), Pablo Marçal (PROS), Sofia Manzano (PCB) e Vera Lúcia (PSTU) não participaram, foi a Lei Eleitoral, que, entre outras coisas, determina regras para esses eventos.

A legislação sobre eleições assegura que todos os candidatos de partidos com representação de no mínimo 5 parlamentares no Congresso Nacional devem ser convidados para os debates. O PTB, legenda de Padre Kelmon, tem 3 deputados na Câmara e 2 senadores, ou seja, cumpre o requisito para a participação.

Eis o que diz a Lei 9504/97 (Lei das Eleições): “(…) É facultada a transmissão por emissora de rádio ou televisão de debates sobre as eleições majoritária ou proporcional, assegurada a participação de candidatos dos partidos com representação no Congresso Nacional, de, no mínimo, cinco parlamentares, e facultada a dos demais”.

Desse modo, o convite a outros presidenciáveis com menor projeção é opcional. Seus partidos não têm representação suficiente no Congresso para obrigar as emissoras a chamá-los.

Kelmon não foi ao primeiro debate entre presidenciáveis destas eleições, realizado pela Band TV em 28 de agosto. Naquela ocasião, o candidato do PTB era o ex-deputado Roberto Jefferson. Contudo, Jefferson está em prisão domiciliar desde janeiro deste ano. Em 2021, ele foi preso pela Polícia Federal no âmbito do inquérito que apura a existência de milícias digitais que atentam contra a democracia.

Em agosto, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiu a candidatura de Jefferson, alegando que o ex-deputado está inelegível até 2023 devido à condenação expedida pelo STF contra ele em 2013, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A Corte deu 10 dias para o partido substituir seu candidato à Presidência, e o escolhido foi Padre Kelmon.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Home em foco De “Padre de festa junina” a “exorcismo”, veja os principais memes do debate na Globo

Compartilhe esta notícia:

O debate da Globo entre os candidatos à Presidência da República rendeu memes nas redes sociais. Padre Kelmon (PTB) foi quem mais gerou brincadeiras durante o encontro entre os presidenciáveis.

Durante o debate, Kelmon teve seu nome confundido pela candidata Soraya Thronicke (União Brasil), que também o chamou de “padre de festa junina”. Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi outro que alfinetou o candidato do PTB à presidência. “Você não é padre, você está fantasiado.”

As vestimentas de Padre Kelmon também voltaram a chamar a atenção, assim como no último sábado (24), ao participar do debate promovido pelo Estadão, Rádio Eldorado e outros veículos de imprensa. Kelmon chegou na disputa presidencial como vice de Roberto Jefferson e assumiu a cabeça de chapa após Jefferson ter sua candidatura impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Padre Kelmon (PTB) não pontua nas pesquisas de intenção de voto, mas participou dos dois últimos debates entre presidenciáveis na televisão, tanto o da TV Globo, na quinta-feira (30), quanto o do Estadão/SBT, no sábado. O que assegurou a sua presença, enquanto o Constituinte Eymael (DC), Léo Péricles (UP), Pablo Marçal (PROS), Sofia Manzano (PCB) e Vera Lúcia (PSTU) não participaram, foi a Lei Eleitoral, que, entre outras coisas, determina regras para esses eventos.

A legislação sobre eleições assegura que todos os candidatos de partidos com representação de no mínimo 5 parlamentares no Congresso Nacional devem ser convidados para os debates. O PTB, legenda de Padre Kelmon, tem 3 deputados na Câmara e 2 senadores, ou seja, cumpre o requisito para a participação.

Eis o que diz a Lei 9504/97 (Lei das Eleições): “(…) É facultada a transmissão por emissora de rádio ou televisão de debates sobre as eleições majoritária ou proporcional, assegurada a participação de candidatos dos partidos com representação no Congresso Nacional, de, no mínimo, cinco parlamentares, e facultada a dos demais”.

Desse modo, o convite a outros presidenciáveis com menor projeção é opcional. Seus partidos não têm representação suficiente no Congresso para obrigar as emissoras a chamá-los.

Kelmon não foi ao primeiro debate entre presidenciáveis destas eleições, realizado pela Band TV em 28 de agosto. Naquela ocasião, o candidato do PTB era o ex-deputado Roberto Jefferson. Contudo, Jefferson está em prisão domiciliar desde janeiro deste ano. Em 2021, ele foi preso pela Polícia Federal no âmbito do inquérito que apura a existência de milícias digitais que atentam contra a democracia.

Em agosto, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiu a candidatura de Jefferson, alegando que o ex-deputado está inelegível até 2023 devido à condenação expedida pelo STF contra ele em 2013, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A Corte deu 10 dias para o partido substituir seu candidato à Presidência, e o escolhido foi Padre Kelmon.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Polícia Federal flagra candidato prometendo pagar festa de formatura
Bolsonaro autoriza nomeação de 560 policiais federais às vésperas da eleição
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News