Terça-feira, 23 de Julho de 2024

Home Economia Diante de uma plateia de líderes da indústria nacional, o relator da reforma tributária no Senado deu sua palavra sobre a desoneração completa dos investimentos em máquinas e equipamentos

Compartilhe esta notícia:

Diante de uma plateia de líderes da indústria nacional, ontem, o relator da reforma tributária no Senado, Eduardo Braga (MDB-AM), deu sua palavra sobre a desoneração completa dos investimentos em bens de capital (máquinas e equipamentos) e informou que o Senado já formou maioria para incluir no texto uma trava ao aumento da carga tributária.

As afirmações foram feitas durante debate organizado pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). Mas o relator não deu detalhes sobre como vai fazer para garantir esses dois compromissos no texto constitucional. Sobre a trava ao aumento da carga, Braga disse apenas que o texto já está escrito e que foi encaminhado ao Ministério da Fazenda.

A preocupação com o impacto da tributação sobre os investimentos têm sido ressaltada por tributaristas, que reclamam que a proposta até agora deixa pontos relevantes nessa área para serem definidos posteriormente por lei complementar – o que aumenta a insegurança jurídica para quem quer investir neste momento no Brasil. Um dos problemas é que há casos em que a exigência de recolhimento imediato dos tributos poderá inviabilizar o investimento de uma empresa, especialmente em fase pré-operacional.

Sabatina

O encontro, a poucos dias da apresentação do relatório na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, acabou se tornando uma “sabatina” dos empresários ao relator, com cobranças para que os seus pleitos sejam atendidos. Muitos levaram propostas individuais e cobraram mudanças no texto, enquanto outros defenderam a manutenção dos benefícios já conquistados na votação da Câmara, como os bancos e a indústria da construção civil.

Braga confirmou que existe a intenção de se incorporar uma quarta alíquota à proposta para acomodar as pressões de setores que querem ser beneficiados por uma tributação menor do Imposto sobre Valor Agregado (IVA). “Acho que vamos ter de estabelecer uma questão intermediária nessa situação”, disse.

Com relação ao Imposto Seletivo, que incidirá sobre produtos nocivos à saúde e ao meio ambiente, Braga confirmou que estuda uma forma de restringir a sua aplicação pelo governo federal.

“Com relação à possibilidade de uma nova alíquota para o Imposto sobre Valor Agregado (IVA), acho que vamos ter de estabelecer uma questão intermediária para essa situação”, declarou o senador Eduardo Braga (MDB-AM).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

As previsões do mercado para o desempenho do PIB brasileiro no terceiro e quarto trimestres diminuíram após a frustração com os dados recentes da atividade econômica
Empresários brasileiros veem ameaças do candidato direitista à presidência da Argentina de não negociar com o nosso País, caso seja eleito, como retórica de campanha
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News