Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Home Economia As previsões do mercado para o desempenho do PIB brasileiro no terceiro e quarto trimestres diminuíram após a frustração com os dados recentes da atividade econômica

Compartilhe esta notícia:

As previsões do mercado para o desempenho do Produto Interno Bruto brasileiro no terceiro e quarto trimestres diminuíram após a frustração com os dados recentes da atividade econômica. Divulgado na sexta-feira (20), o IBC-Br (o índice de atividade do Banco Central, e visto como uma “prévia” do resultado oficial do PIB, medido pelo IBGE) recuou 0,77% em agosto, mais do que a previsão dos analistas (-0,6%). Além disso, também houve surpresas negativas com os resultados divulgados nesta semana para o setor de serviços (-0,9%) e de varejo (-0,2%).

Com isso, segundo pesquisa do Projeções Broadcast feita com 30 instituições financeiras, a estimativa mediana para o PIB do terceiro trimestre saiu de estabilidade (0,0%), há um mês, para uma queda de 0,2% agora. Para o PIB do quarto trimestre, a mediana também diminuiu, de estabilidade (0,0%) para recuo de 0,1%.

Caso essas projeções se confirmem, o País entrará em recessão técnica, já que haverá dois trimestres consecutivos de recuo da atividade econômica. A última vez que isso ocorreu foi no fim do segundo trimestre de 2020. Ainda assim, a previsão para o PIB fechado no ano continua próxima dos 3%, por conta dos efeitos positivos (ou “carrego estatístico”) dos dois primeiros trimestres.

Redução na projeção

A G5 Partners foi uma das instituições que reduziram a projeção para o PIB do terceiro trimestre – no caso, de alta de 0,1% para recuo de 0,1%. Embora a desaceleração para o período já fosse esperada, o economista Pedro Crispim diz que houve fraqueza acima do projetado nos resultados, principalmente de serviços e varejo. “Tem muito também da dissipação do efeito positivo do setor agropecuário, que é sazonalmente mais fraco no segundo semestre.”

O economista Gabriel Couto, do Santander Brasil, também destaca o recuo de 0,9% em serviços em agosto. “Olhando para os dados do mês, foi a grande surpresa para nós”, diz ele, que prevê queda de 0,3% do PIB no terceiro trimestre. O cenário do banco abarca uma segunda contração no quarto trimestre, desta vez de 0,5%, levando a um crescimento anual da atividade econômica de 2,5% em 2023.

Estimativas

No teto das estimativas, o economista da Pezco Helcio Takeda prevê crescimento ainda mais forte do PIB no ano, de 3,3%. Embora os dados mais fracos de atividade em agosto tenham levado a casa a reduzir a estimativa para o terceiro trimestre, de 0,1% para 0,0%, Takeda analisa que um crescimento acima de 3% no ano “ainda parece razoável”.

“Na nossa conta, o carrego deixado pelo PIB do segundo trimestre foi de 3,08% para o ano, então um crescimento zero ou levemente negativo no terceiro trimestre não muda esse nosso cenário, porque a tendência é de recuperação nos últimos três meses”, explica.

Takeda prevê expansão de 0,1% na margem para o PIB do último trimestre, e cita o mercado de trabalho aquecido e o incremento da massa de renda das famílias como os principais vetores positivos para a atividade nos meses finais do ano.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Em escalada de guerra comercial com os Estados Unidos, China restringe exportações de grafite, usado em carro elétrico
Diante de uma plateia de líderes da indústria nacional, o relator da reforma tributária no Senado deu sua palavra sobre a desoneração completa dos investimentos em máquinas e equipamentos
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada