Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

Home Porto Alegre Divulgado fluxo para notificação de casos de varíola dos macacos, em Porto Alegre

Compartilhe esta notícia:

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Diretoria de Vigilância em Saúde, divulgou na sexta-feira (22), o fluxo para notificação de suspeita da Monkeypox (varíola dos macacos), em Porto Alegre.

A notificação à vigilância epidemiológica deve ser feita no momento do atendimento pelo profissional de saúde. Porto Alegre tem três casos confirmados da doença e não há, atualmente, investigação de novas suspeitas.

Considera-se caso suspeito:

Indivíduo de qualquer idade que, a partir de 15 de março de 2022, apresente início súbito de erupção cutânea aguda sugestiva de Monkeypox, única ou múltipla, em qualquer parte do corpo (incluindo região genital), associada ou não a adenomegalia ou relato de febre, somado a um dos itens:

– Histórico de viagem a país endêmico ou com casos confirmados de Monkeypox nos 21 dias anteriores ao início dos sintomas;

– Vínculo epidemiológico com pessoas com histórico de viagem a país endêmico ou país com casos confirmados de Monkeypox, desde 15 de março de 2022, nos 21 dias anteriores ao início dos sinais e sintomas;

– Vínculo epidemiológico com casos suspeitos, prováveis ou confirmados de Monkeypox, desde 15 de março de 2022, nos 21 dias anteriores ao início dos sinais e sintomas;

– Histórico de contato íntimo com desconhecido/a (s) e/ou parceiro/a(s) casual(is), nos últimos 21 dias que antecederam o início dos sinais e sintomas.

Isolamento – na suspeita de Monkeypox, o isolamento do indivíduo deverá ser imediato e até o desaparecimento completo das lesões (cerca de 2 a 3 semanas, ou até 21 dias). Poderá ser realizado em domicílio, sem prejuízo da reavaliação clínica do paciente, se necessário. Nos casos de isolamento domiciliar, o paciente deve permanecer em quarto individual e adotar medidas de precaução de contato, higiene frequente de mãos e uso de máscara entre os contatos domiciliares.

Deve-se evitar o compartilhamento de objetos de uso pessoal, como toalhas, lençóis, roupas, copos e talheres. Na necessidade de deslocamento para consultas ou outras situações que exijam saída do domicílio, utilizar roupas que cubram as lesões por completo.

Saiba mais sobre a doença

Monkeypox é uma doença zoonótica viral, causada pelo Monkeypox vírus (MPV), do gênero Orthopoxvirus. A transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com animal ou humano infectado ou com material corporal humano contendo o vírus. Com baixa taxa de transmissão secundária e de letalidade (1% a 8%, dependendo do subgrupo do MPV), o tempo de incubação aproximado varia de 6 a 16 dias, podendo se estender até 21 dias.

A transmissão entre humanos ocorre principalmente por meio de contato com lesões de pele ou mucosa de pessoas infectadas, secreções respiratórias ou objetos contaminados.

Origem da denominação

O nome Monkeypox se origina da descoberta inicial do vírus em macacos em um laboratório dinamarquês em 1958. O primeiro caso humano foi identificado em uma criança na República Democrática do Congo em 1970. Atualmente, segundo a OMS esclareceu, a maioria dos animais suscetíveis a este tipo de varíola são roedores, como ratos e cão-da-pradaria.

A Organização Mundial da Saúde declarou no sábado passado, 23, o aumento de casos como uma emergência global de saúde pública. Trata-se do alerta mais alto e raramente usado pela OMS para combater um surto global de doença.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

INSS começa a pagar aposentadorias e pensões de julho
Procuradoria-Geral da República pede que o Supremo arquive ações contra Bolsonaro e aliados do governo em apuração da CPI da Pandemia
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde