Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

Home Economia Dólar chegou a R$ 5,38, refletindo ruídos na economia e fechou a segunda valendo R$ 5,35

Compartilhe esta notícia:

O dólar começou a semana pressionado pela combinação entre fatores internos e externos. A moeda americana chegou a bater R$ 5,38 na manhã dessa segunda-feira (10), o maior nível desde 5 de janeiro de 2023. No fim do pregão, estava valendo R$ 5,35.

A postura mais defensiva do mercado antes da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, banco central americano), nesta quarta (12), e a instabilidade política após o resultado das eleições para o Parlamento Europeu, que indicou enfraquecimento dos governos de Alemanha e França, deu força ao dólar.

Por aqui, questões envolvendo a política fiscal do governo federal tem sido um ingrediente a mais para elevar a cotação da moeda. Na última sexta (7), a divisa já havia registrado um pico de alta após o ministro da Fazenda Fernando Haddad participar de um evento fechado no banco Santander. Na ocasião, a moeda subiu 0,5%, de R$ 5,25 para R$ 5,32.

No encontro, Haddad afirmou que há um conjunto de alternativas a serem levadas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso de o crescimento das despesas obrigatórias do governo consumir o espaço para as despesas discricionárias (não obrigatórias, como recursos para custeio e investimentos) dentro da regra fiscal. Ele também não se comprometeu de forma explícita a respeitar o crescimento máximo de despesa, mas não disse que alteraria o arcabouço fiscal, um dos temores do mercado.

Em entrevista após a reunião, Haddad reclamou do vazamento de “informações falsas”, negou mudanças no arcabouço e garantiu que, no encontro, havia dito que está disposto a contingenciar gastos.

O diretor de câmbio da corretora Ourominas, Elson Gusmão, diz que o mercado vem acompanhando a valorização do dólar no exterior e continua preocupado com ruídos fiscais internos. Há expectativas sobre as negociações de Haddad com o Congresso em torno da Medida Provisória que restringe o uso dos créditos de PIS/Cofins, editada para compensar o custo da desoneração da folha de pagamentos de 17 setores da economia e de municípios menores. A mudança começou a valer na última semana.

A medida do governo restringe o uso de créditos de PIS/Cofins pelas empresas de diversos setores para compensar o pagamento de outros tributos. Uma reação imediata à medida pode ser a elevação do preço da gasolina, do etanol e do diesel a partir desta terça (11), de acordo com distribuidoras e representantes de postos de combustível. Isso tende a afetar na ponta as expectativas de inflação e juros.

Além da questão fiscal, há uma piora das expectativas em relação à inflação e aos juros. Segundo o Boletim Focus, divulgado nessa segunda pelo Banco Central, a projeção de inflação para este ano foi elevada pela quinta semana consecutiva. Para 2024, a estimativa passou de 3,88% para 3,90%.

Um mês antes, a mediana era de 3,76%. Para 2025, foco principal da política monetária, a estimativa passou de 3,77% para 3,78%, ante 3,66% de um mês atrás. Apesar da continuidade da desancoragem das expectativas de inflação, o mercado manteve a projeção da Selic para 2024 em 10,25% ao ano. Há um mês, o patamar era de 9,75%.

O ministro da Fazenda disse mais cedo que não teme um repasse de preço ao consumidor por aumento de custo que as empresas alegam que a Medida Provisória do crédito de PIS/Cofins vai gerar. Na avaliação de Haddad, isso não irá acontecer porque a devolução dos créditos continua garantida. Ele voltou a explicar que a Receita identificou um problema na sistemática de compensação e que quer dar transparência ao tema, assim como avançar com uma nova sistemática de devolução do PIS/Cofins na exportação.

Do lado externo, o euro também está sendo pressionado frente a divisa americana pelo avanço da extrema direita nas eleições parlamentares da União Europeia, o que levou o presidente da França, Emmanuel Macron, a convocar eleições legislativas antecipadas.

Investidores ecoam também os números de geração de empregos nos EUA em maio acima das expectativas, que sugerem pouco espaço para o Fed reduzir os juros neste ano. A expectativa é a de que o banco central americano deverá deixar seus juros inalterados pela sétima vez consecutiva nesta semana.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Possível alta no preço da gasolina e do diesel preocupa o governo Lula
Banqueiro André Esteves, do BTG, prevê que o Brasil vai crescer mais de 2,5% neste ano
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde