Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Home Você viu? Editora suspende livro que revelaria traidor de Anne Frank

Compartilhe esta notícia:

A editora holandesa Ambos Athos pediu desculpas e decidiu suspender a publicação do livro “The betrayal of Anne Frank” (A traição de Anne Frank), que identifica um tabelião judeu como traidor da família da menina Anne Frank. Segundo a Ambos Athos, é preciso mais pesquisa sobre o ponto central da obra.

Em um comunicado, a editora disse que agora acredita ter sido levada “pelo momento” e que deveria ter sido mais cuidadosa com o livro.

O livro “The betrayal of Anne Frank”, escrito pela canadense Rosemary Sullivan, é baseado em seis anos de pesquisas realizadas por um time liderado pelo ex-agente do FBI Vince Pankoke.

O livro foi lançado no dia 18 de janeiro, mas em 24 horas começou a receber críticas de historiadores e pesquisadores que colocaram dúvidas sobre a teoria central apresentada na obra. A obra detalha os achados de uma investigação realizada por um agente aposentado do FBI e cerca de 20 historiadores, criminologistas e cientistas de dados que concluíram que um notário judeu, Arnold van den Bergh, teria sido o responsável pela denúncia aos nazistas da adolescente e de sua família em 1944 em Amsterdã.

Os críticos questionaram especificamente a ideia de que como membro do conselho judaico de Amsterdã, um órgão administrativo que as forças de ocupação alemã obrigaram os judeus a criar, ele provavelmente teria acesso aos lugares onde os judeus se escondiam.

Pieter vanTwisk, parte da equipe de pesquisa, afirmou que a teoria exposta no livro está bem fundamentada e se disse perplexo com o comunicado da Ambos Athos.

O livro sugere que Arnold van den Bergh foi forçado a dar os esconderijos de outros judeus para proteger sua própria família. Nem ele nem a filha foram deportados para campos de concentração.

Depois que sua família foi descoberta, Anne Frank foi enviada para o campo de Westerbork, e depois para o campo de concentração de Auschwitz e, mais tarde, para Bergen-Belsen, onde morreu em fevereiro de 1945, aos 15 anos.

Seu célebre diário, um dos livros mais lidos no mundo, narra os dias vividos por ela e sua família no esconderijo, entre 1942 e agosto de 1944.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Você viu?

Miss EUA morre aos 30 anos após cair de prédio em Nova York
Cirurgia de Catarata reduz riscos de demência em idosos
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News