Terça-feira, 16 de Abril de 2024

Home Brasil Em briga por política, apoiador de Lula é morto por seguidor de Bolsonaro

Compartilhe esta notícia:

Um apoiador do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi morto na quarta-feira (07) por um colega de trabalho que se declara seguidor do presidente Jair Bolsonaro (PL), durante uma briga motivada por questões políticas. O caso foi registrado na cidade de Confresa, em Mato Grosso, na manhã de quinta-feira (8).

Rafael Silva de Oliveira, de 24 anos, foi preso sob suspeita de matar Benedito Cardoso Santos, de 42 anos, com cerca de 15 golpes de faca. O corpo da vítima foi encaminhado ao IML de Confresa, de onde foi liberado ainda na quinta-feira.

Cortando lenha

De acordo com a Polícia Civil, Rafael confessou ter matado a vítima. Em depoimento, o autor do crime disse que ambos discutiram por motivos políticos na noite da quarta-feira (07), quando estavam reunidos em uma chácara onde cortavam lenha para a cerâmica em que trabalhavam.

O preso defendia a eleição de Bolsonaro para o colega, que simpatizava com o ex-presidente Lula. Ainda de acordo com o relato, o colega petista teria iniciado a briga com um soco, e Rafael revidou a agressão.

A vítima, então, teria alcançado uma faca, mas Rafael conseguiu retirá-la da mão do colega e golpeá-lo com o objeto. Ainda segundo a Polícia Civil, o detido confessou que feriu a vítima diversas vezes com a faca e, em seguida, buscou um machado, com o qual atingiu o pescoço de Benedito.

Atendimento

Após a briga, o agressor buscou atendimento médico em um hospital de Confresa. Desconfiando da conduta do homem, a polícia militar o levou até a delegacia, onde ele confessou o ocorrido e indiciou onde estavam o corpo da vítima e as armas utilizadas no crime.

Rafael foi autuado pela polícia pelo crime de homicídio duplamente qualificado. Ele passou por audiência de custódia, e a prisão em flagrante foi convertida para prisão preventiva.

Na decisão, a Justiça do Mato Grosso considerou o “crime de natureza gravíssima” e concluiu que “o delito teria ocorrido por razões de divergências político-partidárias”.

Porto Alegre do Norte

O juiz Carlos Eduardo Pinho Bezerra de Menezes, da 3ª Vara de Porto Alegre do Norte-MT, defende ainda que “a intolerância não deve e não será admitida, sob pena de regredirmos aos tempos de barbárie”. “Lado outro, verifica-se que a liberdade de manifestação do pensamento, seja ela político-partidária, religiosa, ou outra, é uma garantia fundamental irrenunciável”, afirmou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Johnny, volante do Inter, destaca momento do time e projeta confronto contra o Cuiabá pelo Brasileirão
Técnico do Grêmio, Renato Portaluppi, comando o penúltimo treinamento e define time para o confronto contra o Vasco pela Série B
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias