Quinta-feira, 02 de Dezembro de 2021

Home Brasil Em protesto, servidores públicos entram em confronto com a polícia em São Paulo

Compartilhe esta notícia:

Servidores públicos municipais protestaram, nesta quarta-feira (10), em frente à Câmara Municipal de São Paulo, contra a reforma da previdência municipal proposta pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB). Houve confronto com policiais da Guarda Civil Metropolitana (GCM) e com a Polícia Militar (PM).

O primeiro confronto com a GCM começou por volta das 16h30. Em uma tentativa de entrar na Câmara de Vereadores, os manifestantes atiraram objetos no prédio, e os guardas dispararam bombas de gás para tentar dispersar os servidores.

Reunidos desde as 14h em frente à Câmara, os servidores públicos gritavam palavras de ordem contra a reforma e o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB). Em determinado momento, os manifestantes chegaram a interromper o trânsito no Viaduto Jacareí, onde está localizado o prédio da Câmara Municipal, na região central do município.

Confronto com a polícia

Em suas redes sociais, o Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo (Sindsep) afirmou que uma servidora foi atingida na perna por uma bomba e precisou ser resgatada do local em uma viatura do Corpo de Bombeiros.

A PM confirmou que uma pessoa foi ferida. Ainda segundo a Polícia Militar, não houve prisões e o confronto foi finalizado.

Já a Prefeitura de São Paulo afirmou, em nota, que a “Guarda Civil Metropolitana está atuando com reforços no entorno da Câmara Municipal, visando garantir a segurança do local, dos manifestantes e servidores do legislativo municipal”.

“Os agentes sofreram investidas dos manifestantes, que buscavam adentrar o prédio. Os protocolos de uso progressivo da força foram utilizados para conter a situação e evitar danos”, disse a prefeitura paulistana.

Proposta de taxação

Os manifestantes são contra a proposta de taxação dos 63 mil aposentados do município afetados pela reforma. A proposta prevê que os aposentados que ganham mais que um salário mínimo, R$ 1.100, passem a contribuir com a Previdência municipal com uma alíquota de 14%.

Pela regra atual da cidade de São Paulo, o percentual só é descontado de quem ganha acima de R$ 6.433.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo disse que “mantém diálogo permanente com todas as entidades sindicais e reafirma a preocupação com a sustentabilidade do sistema previdenciário municipal e com a responsabilidade fiscal”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Estelionatário que vendia rifas falsas usando imagem de criança com leucemia é preso com R$ 8 mil em Ijuí
Nos últimos 15 dias, 14 Estados não registraram mortes por covid ao menos uma vez
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada