Terça-feira, 24 de Maio de 2022

Home Economia Empresas que tomaram dinheiro no mercado de capitais, aproveitando o cenário favorável da Selic muito baixa, verão seus custos com despesas de juros quase dobrar em 2022

Compartilhe esta notícia:

As empresas que acessaram o mercado de capitais para emitir dívida em 2021 e aproveitar o cenário favorável de Selic muito baixa verão seus custos com despesas de juros quase dobrarem em 2022. Dos R$ 250 bilhões captados no ano passado por meio de debêntures, 76% estão atrelados ao CDI e, portanto, expostos ao movimento da taxa básica de juros. Os dados foram consolidados pela gestora JGP.

Esse custo mais alto não coloca em risco a solvência das companhias – que, em sua maioria, têm alavancagem baixa -, mas certamente afetará a rentabilidade, com efeito direto sobre o lucro e, talvez, sobre a capacidade de crescimento no médio prazo. “O que o juro mais alto provoca é uma redistribuição do resultado, que antes ia para o acionista e, a agora, vai também para o credor”, diz Alexandre Muller, sócio-gestor da JGP.

Para estimar o impacto da alta da Selic, que começou 2021 em 2%, o gestor olhou para a evolução da dívida das empresas que compõem o IDEX-CDI, índice criado pela JGP e que reúne as debêntures atreladas ao CDI com boa liquidez no mercado. Levando-se em conta um CDI médio de 4,46% no ano passado, o custo efetivo de juros dessas empresas ficou em R$ 6,68 bilhões em 2021. Se a Selic subir para 12%, como prevê o mercado, o CDI médio neste ano passaria para 12,31%, elevando o custo desse grupo de empresas em 84%, para R$ 12,31 bilhões em 2022.

Mas não é só o aumento das taxas de juros que vai encarecer a dívida das companhias. Para Vivian Lee, sócia da Ibiúna Investimentos, é preciso notar que o spread, que é a taxa paga acima do CDI pelos títulos, também pode voltar a subir nos próximos meses. Como os emissores tendem a concentrar as operações no primeiro semestre por causa da eleição, isso também pode pressionar as taxas. “Quem precisar voltar a mercado pode ter que pagar um spread mais alto, além de um CDI bem mais elevado.”

Porém, diante de um ambiente mais incerto e do aperto na política monetária, os fundos de crédito ficaram mais seletivos no fim do ano. Como consequência da demanda mais equilibrada e de uma enxurrada de ofertas, o spread voltou a subir para perto de 1,80%.

“O mercado ficou ‘empapuçado’ no fim do ano, mostrando que, mesmo com o fluxo para renda fixa, o investidor não vai corroborar spreads tão baixos”, afirma Lee.

A questão, observa, é que os emissores que precisarem rolar suas dúvidas ou mesmo reforçar o caixa têm até meados deste ano para fazê-lo, porque tudo indica que, a partir daí, a disputa eleitoral tende a reduzir a disposição do investidor em assumir risco. Ou seja, pode haver uma nova concentração de ofertas nos próximos meses e, portanto, uma reprecificação dos papéis. “Quem precisar voltar a mercado pode ter que pagar um spread mais alto, além de um CDI bem mais elevado.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Neta de Salvador Allende, presidente do Chile derrubado por um golpe militar, será ministra da Defesa do país
Certificados falsos de vacinação são vendidos por 200 reais no Rio de Janeiro
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada