Sábado, 24 de Fevereiro de 2024

Home em foco Entenda o perigo da demora no combate ao surto de varíola dos macacos

Compartilhe esta notícia:

EBC

A varíola dos macacos (monkeypox) pegou o mundo de surpresa. Apesar de estar há muito tempo presente em partes da África central e ocidental, ela se tornou global, se espalhando de maneiras nunca vistas antes e em uma escala sem precedentes. Houve mais de 27 mil casos confirmados da doença, principalmente em homens que fazem sexo com outros homens, em 88 países.

A preocupação é que a varíola possa se tornar uma presença permanente em pessoas em todo o mundo, e não apenas em países com animais infectados. No momento, isso está mais relacionado a homens fazendo sexo com homens, mas quanto mais tempo o surto continuar, mais chances o vírus tem de se estabelecer de forma mais ampla.

A líder técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a varíola dos macacos, Dra. Rosamund Lewis, diz que é “possível” acabar com o surto, mas alerta que “não temos uma bola de cristal” e não está claro se a organização será capaz de “apoiar países e comunidades o suficiente”. suficiente para parar este surto.”

Para entender o caso, há três aspectos a considerar.

O vírus

Não há nada de especial na biologia do vírus da varíola dos macacos. Não é uma força imparável. A covid provavelmente era — ela se espalhava tão prontamente que era impossível de ser contida mesmo nos primeiros dias da pandemia.

Mas a varíola dos macacos tem mais dificuldade em passar de uma pessoa para outra. Precisa de contato físico próximo – como através de pele infectada, contato pessoal prolongado ou superfícies contaminadas, como um lençol ou uma toalha.

“A varíola dos macacos é mais fácil (de lidar), pois é menos transmissível do que a varíola, por isso estamos em uma posição muito melhor”, disse o professor Jonathan Ball, virologista da Universidade de Nottingham, no Reino Unido.

As ferramentas

O vírus não é classificado como uma infecção sexualmente transmissível. Mas um estudo no New England Journal of Medicine estimou que 95% das infecções por varíola dos macacos estavam sendo adquiridas através do sexo, particularmente sexo entre homens.

O sexo, obviamente, está cheio de todo o contato íntimo de pele com pele que o vírus usa para se espalhar. Isso deixa duas opções para conter a doença — persuadir as pessoas a fazer menos sexo; ou a reduzir o risco de contrair a infecção quando houver exposição.

O professor Paul Hunter, da Universidade de East Anglia (Reino Unido), disse: “A maneira mais fácil de evitar isso é fechar todas as redes sexuais altamente ativas por alguns meses até que desapareça, mas acho que isso nunca acontecerá — e você?”

Felizmente, a vacina contra a varíola que foi usada para erradicar esse vírus é cerca de 85% eficaz na prevenção da varíola dos macacos.

As pessoas

Embora qualquer pessoa possa pegar monkeypox, são gays, bissexuais e outros homens que fazem sexo com homens que são afetados desproporcionalmente neste surto.

Isso pode facilitar o controle do vírus, pois, em geral, é um grupo mais informado sobre a saúde sexual. Também permite que os recursos sejam direcionados para aqueles que precisam — como vacinar homens que fazem sexo com homens em vez de toda a população.

No entanto, o estigma, a discriminação e o abuso podem impedir as pessoas de procurar ajuda, principalmente em países onde o sexo entre homens é ilegal.

Ainda há desafios em países que apoiam os direitos LGBT — lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Mesmo políticas como pedir às pessoas que se isolem — medidas com as quais estamos tão familiarizados devido à covid – podem ter consequências não intencionais.

“Isso equivale a se assumir — seja para uma esposa ou pais (já que de repente você precisa explicar o porquê) —, então há uma forte pressão para não dizer quem eram seus contatos”, disse o professor Hunter.

Como conter?

Alguns países já parecem estar controlando o vírus. O Reino Unido, por exemplo, diz que o número de infecções parece ter se estabilizado em cerca de 35 por dia. Mas os casos continuam a aumentar em outros lugares, incluindo os Estados Unidos, que declararam emergência.

Mas não será suficiente apenas os países ricos controlarem o vírus quando ele está agora em mais de 80 países que não têm um longo histórico da doença.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Problemas de varizes afetam cerca de 38% da população e podem causar sérios danos à saude
Aumenta risco de radiação em usina nuclear na Ucrânia
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News