Domingo, 23 de Junho de 2024

Home Saúde Estudo inovador aponta que Ozempic reduz o risco de doença renal crônica e complicações da diabetes

Compartilhe esta notícia:

A semaglutida, composto presente nos medicamentos de grande sucesso Ozempic e Wegovy, reduziu dramaticamente o risco de complicações renais, problemas cardíacos e morte em pessoas com diabetes tipo 2 e doença renal crônica em um importante ensaio clínico. As descobertas podem transformar a forma como os médicos tratam alguns dos pacientes mais doentes com doença renal crônica, que afeta mais de um em cada sete adultos nos Estados Unidos, mas não tem cura.

“Aqueles de nós que realmente se importam com os pacientes renais passaram toda a nossa carreira querendo algo melhor”, disse a médica Katherine Tuttle, professora de medicina da Escola de Medicina da Universidade de Washington e autora do estudo.

A pesquisa foi apresentada em uma reunião da Associação Europeia de Nefrologia em Estocolmo nesta sexta-feira e simultaneamente publicada no The New England Journal of Medicine.

O ensaio, financiado pelo fabricante do Ozempic, a Novo Nordisk, foi tão bem-sucedido que a empresa o interrompeu precocemente. O médico Martin Holst Lange, vice-presidente executivo de desenvolvimento da Novo Nordisk, disse que a empresa pedirá à FDA, agência que regula medicamentos nos EUA, para atualizar o rótulo do Ozempic para dizer que também pode ser usado para reduzir a progressão da doença renal crônica ou complicações em pessoas com diabetes tipo 2.

O diabetes é uma das principais causas da doença renal crônica, que ocorre quando os rins não funcionam tão bem quanto deveriam. Em estágios avançados, os rins estão tão danificados que não conseguem filtrar adequadamente o sangue. Isso pode causar acúmulo de líquido e resíduos no sangue, o que pode agravar a pressão alta e aumentar o risco de doenças cardíacas e derrames, disse o médico Subramaniam Pennathur, chefe da divisão de nefrologia da Michigan Medicine.

O estudo incluiu 3.533 pessoas com doença renal e diabetes tipo 2, metade das quais receberam uma injeção semanal de semaglutida e metade receberam uma injeção semanal de placebo.

Os pesquisadores fizeram acompanhamento com os participantes após um período médio de cerca de três anos e meio e descobriram que aqueles que receberam semaglutida tinham 24% menos probabilidade de ter um evento importante de doença renal, como perder pelo menos metade da função renal ou precisar de diálise ou transplante renal. Houve 331 desses eventos no grupo da semaglutida, em comparação com 410 no grupo do placebo.

As pessoas que receberam semaglutida eram muito menos propensas a morrer de problemas cardiovasculares ou de qualquer causa, e tiveram taxas mais lentas de declínio renal.

O dano renal muitas vezes ocorre gradualmente, e as pessoas geralmente não apresentam sintomas até que a doença esteja em estágios avançados. Os médicos tentam retardar o declínio da função renal com medicamentos existentes e modificações no estilo de vida, disse a médica Melanie Hoenig, nefrologista do Beth Israel Deaconess Medical Center, que não estava envolvida no estudo. Mas mesmo com tratamento, a doença pode progredir para o ponto em que os pacientes precisam de diálise, um tratamento que remove resíduos e excesso de líquidos do sangue, ou transplantes de rins.

Os participantes do estudo estavam extremamente doentes – as complicações graves observadas em alguns participantes são mais propensas a ocorrer nos estágios mais avançados da doença renal crônica, disse o médico George Bakris, professor de medicina da Universidade de Medicina de Chicago e autor do estudo. A maioria dos participantes já estava tomando medicamentos para doença renal crônica.

Para pessoas com doença renal avançada, em particular, as descobertas são promissoras.

“Podemos ajudar as pessoas a viver mais tempo”, diz o médico Vlado Perkovic, nefrologista e pesquisador renal da Universidade de New South Wales, em Sydney, e também autor do estudo.

Embora os dados mostrem benefícios claros, mesmo os pesquisadores que estudam medicamentos como o Ozempic não têm certeza de como, exatamente, eles ajudam os rins. Uma teoria principal é que a semaglutida pode reduzir a inflamação, que agrava a doença renal.

E os resultados vêm com várias ressalvas: aproximadamente dois terços dos participantes eram homens e cerca de dois terços eram brancos – uma limitação do estudo, observaram os autores, porque a doença renal crônica afeta de forma desproporcional pacientes negros e indígenas. Os participantes do estudo que receberam semaglutida eram mais propensos a interromper o medicamento por causa de problemas gastrointestinais, que são efeitos colaterais comuns do Ozempic.

Os médicos disseram que gostariam de saber se o medicamento poderia beneficiar pacientes que têm doença renal, mas não diabetes, e alguns também tinham dúvidas sobre os potenciais riscos a longo prazo de tomar semaglutida.

Ainda assim, os resultados são os mais recentes dados a mostrar que a semaglutida pode fazer mais do que tratar o diabetes ou promover a perda de peso. Em março, a FDA autorizou o Wegovy para reduzir o risco de problemas cardiovasculares em alguns pacientes.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Google tenta melhorar resultados de pesquisa com IA generativa
O que é catástrofe? Conheça tipos e causas
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde