Domingo, 03 de Março de 2024

Home Mundo Europa tem verão com recorde de áreas devastadas por incêndios

Compartilhe esta notícia:

Com a alta temporada de incêndios ainda em andamento, o saldo provisório de hectares queimados na Europa passou de 660.000 desde janeiro, um recorde para este período do ano desde que os dados de satélite começaram a ser coletados, em 2006.

Desde 1º de janeiro, os incêndios destruíram 662.776 hectares de floresta em toda a União Europeia, segundo dados atualizados neste domingo (14) pelo Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais (EFFIS), que produz estatísticas comparáveis desde 2006, graças a imagens de satélite do programa europeu Copernicus.

A área mais atingida pelos incêndios foi a Península Ibérica. Na Espanha, que sofreu duas grandes ondas de calor este verão entre junho e agosto, 246.278 hectares foram queimados, principalmente nas regiões da Galiza, província castelhana de Zamora (noroeste) e Extremadura.

A situação melhorou nos últimos dias com temperaturas mais baixas.

Em Portugal, os bombeiros demoraram uma semana para controlar um incêndio no parque natural da Serra da Estrela, reconhecido pela Unesco, e onde 17 mil hectares foram queimados.

A França viu anos ainda piores na década de 1970, antes que os dados padronizados fossem estabelecidos em nível europeu.

Mas de acordo com esses números, 2022 foi o pior dos últimos 16 anos, em grande parte devido a dois grandes incêndios sucessivos no departamento de Gironde, perto de Bordeaux (sudoeste), para os quais foram necessários reforços de bombeiros alemães, poloneses e austríacos.

A situação foi igualmente excepcional na Europa Central. Em julho, os bombeiros levaram mais de dez dias para controlar o maior incêndio da história recente da Eslovênia, com a ajuda de uma população mobilizada com tanto entusiasmo que o governo teve que pedir aos moradores que parassem de fazer doações aos bombeiros.

Sem aviões especializados no combate a incêndios, a Eslovênia teve que pedir ajuda à Croácia, que enviou um avião antes de trazê-lo de volta para apagar seus próprios incêndios. Por esta razão, o governo esloveno considera a compra do seu primeiro avião-cisterna.

Se for considerado apenas o período de verão, “2022 já é um ano recorde”, explica Jesús San Miguel, coordenador do EFFIS. O recorde anterior na Europa data de 2017, quando 420.913 hectares queimaram até 13 de agosto e 988.087 hectares em um ano.

“Espero que não tenhamos o mês de outubro que tivemos naquela época”, quando 400 mil hectares foram arrasados em toda a Europa, acrescenta Jesús San Miguel.

A seca excepcional que assola a Europa, somada às ondas de calor, é uma fórmula devastadora. Até agora, estas condições de extrema secura eram observadas principalmente no Mediterrâneo, e agora “acontece na Europa Central”, aponta Jesús San Miguel.

Na República Tcheca, por exemplo, um incêndio devastou mais de mil hectares, o que é pouco em comparação com outros países, e ainda assim 158 vezes mais importante do que a média de 2006-2021 neste país.

Na Europa Central, as áreas queimadas permanecem pequenas em comparação com as dezenas de milhares de hectares devastados na Espanha, Portugal ou França.

Além dos incêndios na Croácia, houve três na Eslovênia e cinco na Áustria. Embora o aquecimento climático contínuo em toda a Europa ameace acentuar a tendência.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Porto Alegre libera quarta dose de vacina contra a covid para pessoas com 33 anos ou mais
Rayssa Leal e Pâmela Rosa fazem dobradinha brasileira em etapa da Liga Mundial de Skate Street nos Estados Unidos
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News