Quarta-feira, 17 de Abril de 2024

Home Política Ex-ministro da Educação Milton Ribeiro confirma na Polícia Federal que Bolsonaro pediu a ele para receber pastor, mas nega favorecimento

Compartilhe esta notícia:

O ex-ministro da educação Milton Ribeiro prestou depoimento à Polícia Federal (PF) nesta quinta-feira (31), em Brasília, e confirmou que recebeu o pastor Gilson a pedido o presidente Jair Bolsonaro. No entanto, Ribeiro negou que tenha ocorrido qualquer tipo favorecimento.

Ribeiro deixou o comando do Ministério da Educação na segunda-feira (28) após denúncias de que ele estaria favorecendo pastores na distribuição de verbas da pasta. O pedido de exoneração foi entregue pelo então ministro ao presidente Jair Bolsonaro.

Na semana passada, o jornal O Estado de S. Paulo apontou a existência de um “gabinete paralelo” dentro do Ministério da Educação. O grupo seria formado por pastores, que controlariam a liberação de verbas e a agenda do MEC.

Dias depois, o jornal Folha de S.Paulo divulgou um áudio de uma reunião em que Ribeiro afirmou que, a pedido de Bolsonaro, repassava verbas para municípios indicados pelo pastor Gilmar Silva.

“Foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão do [pastor] Gilmar”, disse o ministro, segundo o áudio revelado pelo jornal. “Porque a minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar”, complementou Ribeiro.

Em seu depoimento, Ribeiro confirmou à Polícia Federal que fez tal afirmação, mas defendeu que o áudio foi retirado de contexto e, por isso, pediu uma perícia. Segundo o ex-ministro, a declaração tinha como objetivo prestigiar o pastor Gilmar e não insinuar que os amigos do líder religioso seriam beneficiados.

Ribeiro disse ainda que os recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da educação (FNDE) e do Ministério da Educação são controlados pelo Sistema Integrado de Monitoramento Execução e Controle (Simec) e que não teria como favorecer pessoas específicas.

Gabinete

O ex-ministro também negou a existência de um “gabinete paralelo” comandado por pastores dentro do Ministério da Educação. Na semana passada, o jornal O Estado de S. Paulo divulgou um áudio em que o prefeito de Luís Domingues (MA), Gilberto Braga, afirma que um pastor pediu pagamentos – em dinheiro e em ouro – em troca da liberação de recursos para o município.

Em seu depoimento, Ribeiro disse que não sabia que os pastores Gilmar e Arilton pediam propina a prefeitos e que não autorizou os líderes a falarem em nome do Ministério da Educação.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Após Eduardo Leite, presidente do PSD recebe mais uma negativa para presidenciável do partido
Partidos entram na disputa para indicar ministros, principalmente para as pastas com os cofres mais “gordos”
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias