Quarta-feira, 29 de Junho de 2022

Home em foco França retira bandeira da União Europeia do Arco do Triunfo após críticas

Compartilhe esta notícia:

As autoridades francesas retiraram neste domingo (2) do Arco do Triunfo, em Paris, uma grande bandeira da União Europeia (UE), depois que oponentes de direita e de extrema direita do presidente Emmanuel Macron o acusaram de “apagar” a identidade francesa.

A bandeira foi colocada temporariamente no local na véspera de Ano Novo, para marcar o início da presidência de seis meses da França na UE. O governo francês nega que a bandeira tenha sido retirada por pressão e afirma que a remoção ocorreu conforme o previsto.

“Presidir a Europa sim, apagar a identidade francesa, não!”, escreveu no Twitter Valerie Pecresse, a candidata conservadora dos republicanos. Pesquisas indicam que ela pode ser a principal adversária de Macron nas próximas eleições presidenciais, que ocorre este ano.

Ela pediu a Macron que restaurasse a bandeira francesa no icônico monumento de guerra. “Devemos isso aos nossos soldados que derramaram seu sangue por isso”, disse ela.

Le Pen

A líder da extrema direita francesa, Marine Le Pen, classificou a remoção da bandeira como uma vitória. Um dia antes, ela ameaçou apelar ao Conselho de Estado da França para retirar a bandeira.

“O governo foi forçado a remover a bandeira da UE do Arco do Triunfo, uma bela vitória patriótica no início de 2022”, disse Le Pen. Ela afirmou no Twitter que uma “mobilização massiva” forçou Macron a derrubar a bandeira da UE.

Macron derrotou Le Pen em 2017, no segundo turno, por 66% a 34% dos votos válidos. Ele ainda não declarou sua candidatura, mas deverá concorrer novamente à reeleição em abril. A populista Le Pen já lançou sua campanha.

Pressão

O ministro francês dos Assuntos Europeus, Clement Beaune, que na sexta-feira disse que a bandeira ficaria por “vários dias” no Arco do Triunfo, afirmou que ela havia sido retirada conforme o planejado.

“Estava programado que a bandeira seria retirada neste domingo, não tínhamos estabelecido uma hora exata”, disse Beaune à rádio France Inter.

Ele disse que o governo não “recuou” e acusou os opositores de “perseguirem desesperadamente as controvérsias estéreis da extrema direita”.

“Não recuamos, não houve mudança de planos. Presumo totalmente que o destino da França seja a Europa”, disse Beaune, acrescentando que a instalação da bandeira da UE não substituiu a bandeira francesa, porque não era uma exibição permanente.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Bolsonaro poderá negociar até 11 ministérios em maior reforma pré-eleitoral
Vinte anos depois do seu surgimento, euro ainda tenta rivalizar com o dólar e se prepara para mudar de visual
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde