Sábado, 02 de Julho de 2022

Home em foco Vinte anos depois do seu surgimento, euro ainda tenta rivalizar com o dólar e se prepara para mudar de visual

Compartilhe esta notícia:

Em 2002, milhões de europeus de 12 países abdicaram de suas moedas nacionais para implementar o euro, visto então como um potencial rival para o dólar. Vinte anos depois, a moeda única europeia ainda não venceu a briga, e a divisa americana comanda o mercado internacional.

Há cerca de US$ 2,1 trilhões em circulação, e 60% das reservas cambiais de bancos centrais de todo o mundo estão em dólar, contra 20% do euro, segundo o Banco Central Europeu (BCE).

Apesar de não representar ameaça à moeda americana, o euro se mantém um concorrente respeitável e vai passar por mudança de layout nos próximos três anos para se aproximar dos europeus.

Modelo alemão

O euro é fruto de um compromisso acertado entre os dois grandes motores da União Europeia: a Alemanha decidiu abdicar do poderoso marco como sinal de reconhecimento dos esforços da França durante o processo de reunificação alemã, após a queda do Muro de Berlim.

No início, a nova moeda seguia a linha do extinto marco, em que a estabilidade e o controle da inflação eram as únicas prioridades. No entanto, o toque francês está em tornar o euro um líder internacional, o que não estava nas intenções da Alemanha, de acordo com Guntram Wolff, diretor do Bruegel, um think tank de Bruxelas.

“Quando o BCE começou a operar, fez isso seguindo o modelo do Bundesbank (o BC alemão), o que significa, basicamente, ser neutro nessa questão”, acrescentou Wolff.

O modelo começou a ruir perto de a moeda completar dez anos, na esteira da crise financeira global. Revelou-se o elevado endividamento de vários países-membros da UE, o que ameaçou enfraquecer o bloco — falou-se até na possibilidade da saída da Grécia.

Os esforços para controlar a turbulência se concentraram na figura da agora ex-chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que garantiu inclusive a unidade do bloco e a estabilidade da moeda.

Trump

A tentativa de construir uma imagem do euro como instrumento de poder voltou à mesa quando Donald Trump, então presidente dos Estados Unidos, abandonou o acordo nuclear com o Irã, em 2018.

Empresas que investiam no país persa foram ameaçadas de sanções pelos EUA, e a UE tentou proteger os empreendimentos europeus das represálias.

O plano, no entanto, fracassou porque as empresas temeram confrontar Washington e o alcance do dólar. Lideranças do continente foram à Comissão Europeia para pedir a aplicação de medidas que evitem o uso da moeda americana como arma. Em janeiro, o órgão apresentou sugestões, mas ainda sem proposta de medida legislativa.

O fim do governo Trump enfraqueceu a tentativa do euro de conquistar proeminência internacional, segundo uma autoridade europeia a par do debate. Para ela, “quando se fala do papel internacional do euro, fala-se de tudo e de nada ao mesmo tempo.”

E a maior parte dos analistas concorda que a solução seria a emissão de títulos europeus para atrair investimentos, como faz o Tesouro americano desde a Segunda Guerra Mundial. A ferramenta foi usada como forma de captar ativos para a recuperação do continente pós-pandemia.

Isso, no entanto, pode gerar desequilíbrios no balanço interno do bloco já que países como Alemanha e Holanda temem pagar empréstimos que beneficiariam Estados endividados, como França, Espanha ou Grécia.

Para Wolff, do Instituto Bruegel, não se pode alegar que um Eurobônus “ajudaria”. O melhor para o euro, afirma ele, seria uma economia produtiva.

“Se você tiver uma economia dinâmica, o investimento internacional virá para a Europa, e isso vai fortalecer o euro como moeda”, pontua.

Repaginada

Enquanto isso, o BCE propôs, em dezembro, uma mudança no visual da moeda, a fim de aproximá-la da realidade de europeus de todas as idades e classes sociais.

O novo desenho deve ficar pronto nos próximos três anos, e os grupos de discussão vão reunir sugestões da população europeia sobre o tema geral das novas notas. Com isso, o euro terá a primeira repaginação desde sua criação, em 2002.

O design original, com janelas, portas e pontes de diversos estilos arquitetônicos, simboliza a união e a abertura, apesar de ser abstrato demais para ser associado a um ou outro país do bloco.

Por isso, o grupo de trabalho conta com especialistas de cada país da zona do euro para fazer uma lista de temas a ser enviada ao Conselho do BCE. Depois de aprovado no órgão e por consulta pública, o BC europeu tomará a decisão final em 2024.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

França retira bandeira da União Europeia do Arco do Triunfo após críticas
Anvisa reforça pedido de suspensão imediata de cruzeiros após surtos de covid
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde