Terça-feira, 17 de Maio de 2022

Home Economia Gasolina rompe a barreira dos 8 reais pela primeira vez, diz Agência Nacional do Petróleo

Compartilhe esta notícia:

O preço máximo da gasolina vendida pelos postos no Brasil rompeu pela primeira vez a barreira dos R$ 8 nesta semana, de acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Segundo a agência, o valor máximo encontrado nesta semana foi de R$ 8,029 no Rio de Janeiro – na semana anterior o teto era de R$ 7,99. Em Minas Gerais, o maior preço chegou a R$ 7,698.

Em terceiro lugar, aparece o Paraná, com valor máximo de R$ 7,660. No Acre, o litro chega a R$ 7,60. Em seguida, vem a Bahia, com o maior preço do Nordeste, onde a gasolina custa até R$ 7,540.

Mas na média nacional o valor médio do litro vendido nos postos do Brasil passou de R$ 6, 664, entre os dias 16 e 22 de janeiro, para R$ 6,658 nesta semana (entre os dias 23 e 29 de janeiro). É uma queda de 0,09%.

No caso do diesel, o valor médio do litro ficou quase igual, de R$ 5,582, na semana passada, para os atuais R$5,586.

Mas, segundo fontes do mercado, a tendência é de alta nos preços.

Com o valor do petróleo no mercado internacional acima dos US$ 88, vem aumentando a defasagem de preços dos combustíveis vendidos pela Petrobras.

A Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) avalia que a estatal já tem defasagem de 9% na gasolina em relação ao mercado internacional, o que significaria a necessidade de um reajuste de R$ 0,29, em média, por litro na refinaria.

O último reajuste da Petrobras ocorreu no dia 12 de janeiro, quando o preço médio de venda da gasolina da Petrobras para as distribuidoras passou de R$ 3,09 para R$ 3,24 por litro, uma alta de 4,85%. Assim, desde janeiro de 2021, o preço da gasolina acumula alta de 77,04%.

Para o diesel, o preço médio de venda da Petrobras para as distribuidoras teve alta de R$ 3,34 para R$ 3,61 por litro. Assim, desde janeiro do ano passado, o diesel já subiu 78,71% nas refinarias.

Para os especialistas, nem mesmo a iniciativa dos governadores, que decidiram congelar por mais dois meses o valor de referência do ICMS, será capaz de impedir novo aumento do valor cobrado nas bombas.

ICMS

A escalada da cotação do petróleo no mercado internacional deve pressionar a Petrobras a efetuar novos reajustes nos preços de combustíveis.

Com o barril do Brent cotado acima de US$ 88, a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) avalia que a Petrobras já tem defasagem de 9% na gasolina em relação ao mercado internacional, o que significaria a necessidade de um reajuste de R$ 0,29, em média, por litro na refinaria.

Para os especialistas, nem mesmo a iniciativa dos governadores, que decidiram congelar por mais dois meses o valor de referência do ICMS, será capaz de impedir novo aumento do valor cobrado nas bombas.

Depois que a Petrobras anunciou um reajuste de preços que entrou em vigor no último dia 12, os estados haviam decidido descongelar o ICMS, o que acabaria tendo impacto no valor ao consumidor.

Pesou para a mudança de avaliação o temor de um desgaste político em ano eleitoral, motivado pela discussão de preços de gasolina e diesel.

Além disso, o governo indicou planos de aprovar uma PEC dos Combustíveis que permitiria zerar em caráter temporário os impostos federais, e o presidente Jair Bolsonaro disse que os estados poderiam optar por aderir ou não a esse movimento.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Contas do governo federal do ano passado fecham com o menor rombo desde 2014
Anatel adia decisão sobre venda da Oi 
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde