Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Home Esporte Guerra na Ucrânia faz Rússia perder eventos da Fórmula 1, futebol, vôlei e esportes olímpicos. Atletas podem ser excluídos de diversas modalidades

Compartilhe esta notícia:

Desde o momento em que iniciou a invasão à Ucrânia, a Rússia começou a receber sanções no meio esportivo, principalmente com a perda de eventos que teriam como sede o país do leste europeu. As medidas causam problemas significativos à economia e principalmente para atletas russos, que novamente se vêm prejudicados por atitudes do governo.

No automobilismo, o Grande Prêmio de Fórmula 1, que seria realizado em Sochi no fim de semana do dia 25 de setembro, foi retirado do calendário após pressão de equipes e pilotos, que se recusaram a viajar ao país. A Rússia se preparava para transferir a corrida da cidade-sede dos Jogos de Inverno de 2014 para São Petersburgo em 2023, porém o conflito com os ucranianos deixa dúvidas sobre a sequência da categoria no país.

Um dia após a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) anunciar que pilotos da Rússia e de Belarus não poderão disputar corridas usando identificação de seus países, a Motorsport UK, órgão que comanda o automobilismo no Reino Unido, foi além e proibiu pilotos desses países a correrem na Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Desta maneira, o russo Nikita Mazepin, da Haas, não disputará o GP da Inglaterra de Fórmula 1.

No futebol, as sanções vieram repartidas. A primeira delas foi a retirada da final da Liga dos Campeões da Europa 2021/2022 de São Petersburgo. O evento agora será realizado em Paris. Em seguida, vieram punições sobre as seleções e clubes russos. A Fifa proibiu a seleção russa de competir sob sua bandeira, executar o hino e excluiu o país das Eliminatórias para a Copa do Mundo. A decisão foi seguida pela Uefa, que excluiu o Spartak Moscou da Liga Europa e retirou a seleção feminina da Eurocopa.

O Comitê Olímpico Internacional recomendou às suas federações esportivas que excluam atletas russos das competições e orientou a desconvocação daqueles que já haviam sido convidados. A medida também será aplicada a esportistas de Belarus. A entidade também retirou condecoração da Ordem Olímpica dada ao presidente russo Vladimir Putin.

A Federação Internacional de Judô fez o mesmo e suspendeu honraria entregue ao líder russo. Vladimir Putin, que é faixa preta e graduado no 8º dan na modalidade, havia sido intitulado Presidente Honorário e Embaixador. Em outubro, a Rússia seria palco de uma das etapas da Premier League de caratê, mas o evento foi retirado do país e deverá ganhar nova sede.

A Rússia também não poderá mais organizar o Campeonato Mundial masculino de vôlei. O evento aconteceria no país entre agosto e setembro de 2022. As seleções russas masculina e feminina não poderão competir sob sua bandeira e ainda poderão sofrer novas sanções.

Na natação, o Circuito Internacional em águas abertas retirou de seu calendário as provas que ocorreriam em território russo. A Fina (Federação Internacional de Natação) retirou de Kazan, na Rússia, torneios de saltos ornamentais, nado artístico e Mundial Júnior. Um jogo entre Rússia e Grécia também foi retirado do país.

No badminton, a situação é semelhante, mas também alcança Belarus, que também não poderá acolher competições da modalidade. O mesmo se estende à escalada, xadrez, halterofilismo e esqui. Atletas da Rússia também podem ficar fora de disputas no curling e hóquei no gelo.

A Copa do Mundo de esgrima (espada) estava sendo realizada em Sochi, mas foi paralisada antes de sua fase semifinal no último sábado. Atletas abandonaram a competição após o início da guerra com a Ucrânia. O conselho da Federação Internacional de Atletismo (World Athletics) anunciou também que atletas, profissionais de apoio e dirigentes de Rússia e Belarus estão excluídos de todas as competições internacionais enquanto a guerra persistir. A decisão tem efeito imediato. A federação de Belarus foi suspensa, assim como a entidade russa está desde 2015 devido aos casos de doping. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Esporte

Juventude avança na Copa do Brasil
PSG oferece salário de 287 milhões de reais por ano para renovar com Mbappé
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde