Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

Home Saúde HIV: 40 anos depois do descobrimento, os avanços no tratamento que permitiram vidas longas e saudáveis

Compartilhe esta notícia:

Há 40 anos, uma equipe do Instituto Pasteur, na França, descobriu o vírus causador da Síndrome da Imunodeficiência Humana (Aids), um acontecimento que marcou a primeira etapa do combate a uma epidemia que já deixou mais de 40 milhões de mortos no mundo. A identificação do então novo vírus foi publicada em de maio de 1983 em um artigo na revista científica Science.

Pouco depois, uma equipe americana também identificaria um patógeno associado à Aids, que posteriormente foi confirmado se tratar do mesmo observado pelos cientistas franceses. Ambos foram considerados os responsáveis pelo descobrimento do HIV, feito premiado em 2008 quando receberam o Prêmio Nobel de Medicina.

De lá para cá, a convivência com o HIV, inicialmente considerada uma sentença de morte, transformou-se em uma condição crônica manejável graças aos avanços dos tratamentos.

AZT

Quando o HIV (vírus da imunodeficiência humana) começou a infectar humanos, os pacientes estavam fadados a morrer em curto e médio prazo, e nenhum medicamento parecia funcionar até a chegada do antirretroviral azidotimidina (AZT).

Na realidade, o AZT foi inicialmente sintetizado ainda na década de 1960 como um potencial tratamento contra o câncer, por atacar um vírus associado à leucemia, mas foi abandonado por falta de resultados convincentes.

Com o surgimento da Aids, o laboratório americano Burroughs Wellcome, dono da molécula, decidiu testá-lo em um ensaio clínico que foi interrompido na fase 2, uma anterior à fase 3 – última antes da comercialização – porque os resultados foram tão positivos que seria antiético privar os pacientes do acesso ao medicamento.

Em 20 de março de 1987, foi autorizado nos Estados Unidos oficialmente o primeiro tratamento antirretroviral (TARV) com o AZT, que agia sobre a atividade de uma enzima chamada “transcriptase reversa” do HIV, retardando a replicação do vírus no organismo.

Porém, o AZT tinha efeitos colaterais significativos, como dores de cabeça, náuseas, quadros de anemia, e, posteriormente, foi considerado insuficiente para tratar sozinho o HIV, por agir em apenas uma fase da replicação do vírus. Ainda assim, foi um marco no início do combate à Aids.

Terapias triplas

Um segundo evento importante ocorreu em janeiro de 1996 com a conferência internacional sobre retrovírus em Washington, nos EUA. Resultados positivos foram apresentados a partir de vários testes realizados por laboratórios para tratar o HIV.

Era a chegada de uma nova classe de medicamentos, os antiproteases, moléculas que impedem outra etapa da replicação do HIV ao bloquear a maturação de novas proteínas do vírus. Essas moléculas, combinadas com outros antirretrovirais, mudaram completamente o jogo.

Ao mirar em três estágios, três alvos moleculares, torna-se muito mais difícil para o vírus escapar do tratamento — explica o pesquisador Victor Appay, imunologista e diretor de pesquisa do Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde e Medicina da França (Inserm).

Inicialmente muito caras e reservadas aos países ricos, as terapias tornaram-se mais acessíveis graças a um compromisso assinado em 2001 na Organização Mundial do Comércio (OMC) para permitir que os países em desenvolvimento produzissem medicamentos genéricos.

Atualmente, existem cinco tipos principais de drogas antirretrovirais que atuam em diferentes fases da replicação viral. Cada vez mais se trabalha para que o tratamento seja bem menos oneroso, com doses menos frequentes e mais baratas.

PrEP

Em 16 de julho de 2012, um primeiro tratamento PrEP (profilaxia pré-exposição) como método de prevenção ao HIV para grupos de maior risco de exposição foi licenciado nos Estados Unidos, o coquetel antirretroviral Truvada. Desde então, essa estratégia, que envolve um comprimido ao dia, provou sua eficácia e permitiu que pessoas se protegessem da infecção pelo vírus.

O antiviral atua bloqueando uma enzima do corpo necessária para que o HIV se replique ao infectar o organismo caso o indivíduo seja exposto a ele. É, portanto, uma estratégia anterior à possibilidade de contaminação, e não de tratamento para pessoas que vivem com o vírus.

No caso de pessoas que não tomam a PrEP, mas foram expostas ao HIV, existe a profilaxia pós-exposição (PEP). Ela é uma medida de caráter emergencial, e deve ser iniciada preferencialmente nas primeiras duas horas após a possibilidade de contato com o patógeno, e no máximo em até 72 horas. Trata-se também de um comprimido ao dia, tomado durante 28 dias após o evento.

Transplantes e cura

Houve até agora cinco casos de remissões completas de pacientes com HIV por meio de transplantes divulgados por cientistas. São pacientes que sofriam de câncer no sangue e que precisavam de transplantes de medula óssea devido ao tumor.

Ao selecionarem o doador, os pesquisadores escolheram indivíduos que tinham uma mutação rara que levava as células a não produzirem uma proteína chamada CCR5, um receptor que atua como “porta de entrada” para que o HIV entre nas células.

Com isso, quando os vírus em “dormência” foram acordando, não conseguiram se replicar e foram eliminados pelos antivirais. No entanto, esses transplantes são arriscados e indicados apenas em casos de necessidade devido ao quadro de câncer, não sendo replicado para todos que vivem com o HIV.

No entanto, novas estratégias de edição genética direcionadas ao CCR5, vacinas personalizadas para induzir anticorpos específicos e medicamentos que buscam atingir o vírus no estado de “dormência” têm avançado nos estudos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

“A dopamina é a química do sexo, das drogas e do rock and roll”, diz psiquiatra
Organização Mundial da saúde declara fim da emergência em saúde por mpox
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde