Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Home em foco Israel quer “destruir o Hamas” e criar novo “regime de segurança” em Gaza, diz ministro da Defesa

Compartilhe esta notícia:

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, disse nesta sexta-feira (20), que o objetivo da operação militar do país na Faixa de Gaza é acabar com sua responsabilidade sobre o território e implantar um novo regime de segurança na região. O ministro disse que busca criar uma “nova realidade de segurança” na Faixa de Gaza com o plano de guerra.

O ministro disse que Israel está na primeira fase do plano de ação, que inclui milhares de ataques aéreos na Faixa de Gaza. Gallant disse que as forças terrestres entrariam na Faixa de Gaza para acabar com o domínio do Hamas, o que seria seguido por esforços de menor intensidade para eliminar “bolsões de resistência”.

Israel agiria então para acabar com a sua responsabilidade de acordo com o direito internacional como potência ocupante na Faixa de Gaza, porém não detalhou como pretende fazer isso.

“O terceiro passo será a criação de um novo regime de segurança na Faixa de Gaza, a remoção da responsabilidade de Israel pela vida cotidiana na Faixa de Gaza e a criação de uma nova realidade de segurança para os cidadãos de Israel e dos moradores da área ao redor de Gaza”, acrescentou.

Ainda é incerto quando as forças de Israel iniciarão suas operações terrestres em Gaza. Na quinta-feira, Gallant havia afirmado que suas tropas logo iriam ver o território palestino de dentro, sugerindo que uma invasão terrestre ao território está bem próxima.

Reféns

O Exército israelense afirmou, em um comunicado divulgado nessa sexta-feira, que “a maioria dos reféns” sequestrados pelo grupo terrorista Hamas no ataque de 7 de outubro “está viva”.

“Dos aproximadamente 200 reféns que se encontram atualmente detidos na Faixa de Gaza, mais de 20 são menores de idade, entre 10 a 20 têm mais de 60 anos, e a maioria deles está viva”, afirmaram os militares na nota. Segundo a mesma fonte, o grupo terrorista Hamas também levou corpos para a Faixa de Gaza após o ataque

Cerca de 100 a 200 israelenses são agora considerados “desaparecidos” desde o ataque, em comparação com 3 mil no primeiro dia da guerra. “Este número diminuiu consideravelmente”, confirmou o Exército.

“Atualmente, o Exército israelense continua realizando operações para encontrar e localizar os corpos perto da Faixa de Gaza”, disse o porta-voz.

Mortes

Mais de 1.400 pessoas morreram em território israelense por ataques de terroristas do Hamas, a maioria civis baleados, queimados vivos ou mutilados, segundo as autoridades israelenses. As Forças de Defesa de Israel também apontaram que 1.500 terroristas do Hamas morreram no ataque.

Já no enclave palestino, segundo o ministério da Saúde, que é controlado pelo grupo terrorista Hamas, 4.137 palestinos morreram desde o dia 7 de outubro, quando Israel passou a atacar posições do Hamas na Faixa de Gaza.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Aeroportos na França recebem avisos de bomba pelo 3º dia seguido
Em escalada de guerra comercial com os Estados Unidos, China restringe exportações de grafite, usado em carro elétrico
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde