Sábado, 18 de Maio de 2024

Home Rio Grande do Sul Justiça Federal condena administrador de empresa por sonegação de mais de R$ 500 mil em impostos no Rio Grande do Sul

Compartilhe esta notícia:

A 5ª Vara Federal de Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, condenou o ex-administrador de uma empresa de equipamentos industriais em São Leopoldo pela sonegação de mais de R$ 500 mil em tributos.

Segundo informações divulgadas pela Justiça Federal na segunda-feira (15), o MPF (Ministério Público Federal) denunciou que o acusado, na condição de administrador e gestor financeiro da empresa, foi responsável pela supressão de R$ 404.096,84 de contribuições previdenciárias e mais R$ 99.101,14 de contribuições sociais para outras entidades e fundos. Ele prestou informações falsas às autoridades fazendárias.

A defesa sustentou que o réu é inocente, requerendo a sua absolvição. Afirmou que não houve dolo por parte dele, que procurou a Receita Federal e buscou o financiamento dos débitos antes da execução, mas não obteve êxito por forças alheias à sua vontade. Argumentou que a prestação de informações incorretas ocorreu em decorrência de uma confusão do contador, da falta de conhecimento e de condições de pagamento.

Conforme o juiz federal Eduardo Gomes Philippsen, a sonegação de tributos ficou demonstrada por meio de documentos contidos nos autos, que comprovaram que a empresa efetuava pagamentos como se estivesse em regime de tributação diferente do qual pertencia, prestando informações inverídicas aos órgãos fazendários.

Philippsen considerou que o acusado admitiu ter assumido a administração da empresa em 2012, sendo o responsável pelo pagamento de tributos. Ele observou também que as alegações da defesa dos motivos que levaram à prestação de informações inverídicas não ficaram comprovadas.

O juiz analisou que o fato do preenchimento das informações ter sido feito por um contador não exime a responsabilidade do administrador, que possui o poder de decidir sobre o teor das declarações. Tampouco dificuldades financeiras podem ser usadas como argumento para o cometimento de fraude fiscal.

“O elemento diferenciador da sonegação e do mero inadimplemento consiste no emprego de artifício para burlar a administração tributária. Ou seja, o contribuinte adota comportamento fraudulento para induzir o Fisco em erro e, assim, conseguir reduzir ou suprimir tributo. A conduta ardilosa revela-se tanto na omissão deliberada quanto na conduta ativa, consistente, por exemplo, na inserção de informação falsa que repercute na redução ou supressão de tributo”, concluiu.

Philippsen julgou procedente a ação, condenando o administrador a três anos e dez meses de reclusão. Observando que o réu atende aos requisitos estipulados na lei, o juiz substituiu a pena privativa de liberdade pela prestação pecuniária e de serviços à comunidade. Cabe recurso da decisão ao TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Meia maratona de Pequim está sob investigação por suspeita de fraude
Ministro do Supremo Cristiano Zanin se declara impedido de julgar recurso de Bolsonaro contra multa imposta pela Justiça Eleitoral
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News