Quarta-feira, 18 de Maio de 2022

Home Cláudio Humberto Lucro de bancos e estatais cresce, após Dilma e covid

Compartilhe esta notícia:

As duas maiores tragédias a atingir a economia brasileira na última década, a crise provocada pela petista Dilma Rousseff e a crise provocada pela pandemia da covid-19, parecem ter sido superadas pelo menos no quesito lucro dos bancos públicos e estatais como os Correios, conhecido pelo seu inchaço e ineficiência. A estimativa do sindicato de funcionários dos Correios é de lucro recorde em 2021: mais de R$3 bilhões.

Recorde

O Banco do Brasil anunciou na semana passada mais de 50% de crescimento nos lucros: R$21 bilhões.

Petróleo

A Petrobras, alvo predileto da roubalheira na era petista, prevê lucro de mais de R$63 bilhões em 2021.

Banco público

Em 2021, a Caixa Econômica quase dobrou o resultado de 2020 e deve registrar cerca de R$18 bilhões de lucro.

Setor elétrico

A Eletrobras, que vai ser privatizada, deve registrar cerca de R$3 bilhões de lucro em 2021.

Barroso discursou no TSE como líder da oposição

O discurso longo do ministro Luis Roberto Barroso, nas despedidas da presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), reforçou as suspeitas de que o magistrado alimentaria sonhos de ingressar na carreira política. Ele sempre negou isso até a assessores mais próximos Mas a contundência dos ataques a Jair Bolsonaro, mesmo a pretexto de reagir a agressões do presidente, deixaram a impressão nos meios políticos de que o ministro fez discurso próprio de líder de oposição ao atual governo.

Retórica de oposição

O respeitado cientista político Fernando Schüler, da Rádio Bandeirantes, está entre aqueles que viram retórica de posição no discurso de Barroso.

Insegurança jurídica

A atitude exasperada da cúpula do TSE acabou provocando dúvidas nos políticos sobre a imparcialidade da Corte em julgamentos na campanha.

Não vai acabar bem

Edson Fachin tem atitude beligerante idêntica a Barroso, e cederá lugar a Alexandre de Moraes, em agosto. Isso não vai acabar bem.

Na crista da onda

A declaração agressiva e ignorante da porta-voz da Casa Branca serve para confirmar o protagonismo do Brasil. Às vésperas da visita de Bolsonaro, vários presidentes estiveram em Moscou, como o argentino Alberto Fernández e o iraniano Ebrahim Raisi. E ninguém notou.

Os sem-votos

A reunião de pré-candidatos a presidente em São Paulo mais parecia um encontro dos sem-votos, à exceção de Sergio Moro (Podemos). A estrela foi a falante Simone Tebet (MDB), que oscila entre 0% e 1%.

Cadê a placa “saída”?

Louco por uma desculpa para não disputar a reeleição, porque o Rio Grande do Sul tem a tradição de não reeleger governadores, Eduardo Leite deve tenta uma saída honrosa disputando o Planalto pelo PSD.

Tabuleiro geopolítico

O cientista político Paulo Kramer alerta que atenção americana para a Ucrânia deve ter consequências. Xi Jinping (China) sabe que Taiwan é mais importante para os EUA e pode acelerar avanço sobre o território.

Lobby não é bancada

Grupo de advogados “rejeita” projeto que isenta as vítimas de violência doméstica de IPI na compra de carro, alegando “falta do estudo de impacto fiscal”. Lobistas (ainda) não votam. A decisão é do Congresso.

Não tem mar, mas…

Os portos fluviais do Centro-Oeste do Brasil foram o grande destaque do setor, com crescimento de 25% na carga movimentada, região com maior alta em 2021. Segundo a Antaq, foram 3,9 milhões de toneladas.

Regional

O Sudeste lidera a campanha de vacinação entre as regiões: mais de 164 milhões de doses de imunizantes foram aplicadas em São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Menos mal

Fevereiro começou com uma pequena boa notícia sobre combustíveis. Levantamento TicketLog em 22 mil postos revelou queda de 1,53% no preço médio do etanol. A gasolina não caiu, mas ficou na estabilidade.

Pensando bem…

… tem candidato que só tem votos no metaverso.

PODER SEM PUDOR

Encarando um provocador

Jânio Quadros, que renunciou à presidência da República após sete meses no cargo, fazia campanha para o governo paulista, em 1982, quando ouviu gritar um mendigo, com um toco de cigarro pendurado nos lábios: “Fujão! Fujão! Fujão!”. Jânio tentou ignorar, mas, ao descer do palanque, lá estava o provocador: “Fujaããão!” Jânio olhou-o fixamente e partiu em sua direção, resoluto. Temia-se até uma agressão física. Ele parou diante do mendigo, que se calara repentinamente, paralisado, com medo. Jânio, num golpe rápido, ao invés de um soco, retirou o toco de cigarro dos lábios provocadores, colocou-o na própria boca e foi embora.

(Com colaboração de André Brito e Tiago Vasconcelos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cláudio Humberto

Fatos históricos do dia 20 de fevereiro
Briga no PROS
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa