Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

Home Rio Grande do Sul Mais de 15 mil bebês nasceram prematuramente no Rio Grande do Sul em 2022

Compartilhe esta notícia:

Dados preliminares da Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul mostram que, em 2022, o Estado teve 15.559 crianças nascidas com menos de 37 semanas, consideradas prematuras. O número representa 12,86% do total dos quase 121 mil bebês nascidos vivos no ano passado. Instituído em 2011, o Novembro Roxo marca o mês internacional de sensibilização à prematuridade. A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) estima que 1,2 milhão de bebês prematuros nasçam nas Américas a cada ano.

O parto prematuro pode ocorrer por necessidade de interrupção da gestação devido a complicações maternas e/ou neonatais e também de forma espontânea; porém, as causas são complexas e multifatoriais.

“O pré-natal iniciado precocemente é um fator de prevenção à prematuridade, pois permite a identificação de fatores de risco maternos e fetais que podem ser prevenidos ou tratados em tempo oportuno. Idealmente, estes fatores deveriam ser identificados antes da gestação, por meio do planejamento reprodutivo”, explica a chefe da Divisão de Ciclos de Vida da Secretaria da Saúde, Gisleine Silva.

De 2019 até outubro deste ano, foram 75.517 bebês prematuros no Rio Grande do Sul, representando 12,42% dos 607.544 nascidos vivos no período. O número de 2022 e o número parcial até outubro de 2023 ainda são preliminares.

O início precoce do pré-natal é fundamental para o acompanhamento da gestação e para o controle de doenças crônicas já preexistentes, como a hipertensão arterial e o diabetes. A realização do pré-natal do parceiro também é importante, pois Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) podem desencadear o parto prematuro.

Fatores de risco para o parto prematuro

Infecção urinária, especialmente se não tratada durante a gestação; ruptura precoce de bolsa amniótica com coreoamnionite não tratada durante a gestação; gemelaridade; hipertensão arterial sistêmica e pré-eclampsia na gestação; diabetes; Infecções por Sífilis, Toxoplasmose e Streptococo tipo B; história prévia de prematuridade em gestação anterior; ausência de realização de pré-natal; e insuficiência istmo cervical do colo do útero.

Ambulatórios de Egressos de UTI Neonatal
Distribuídos nas diferentes regiões do Estado, realizam o acompanhamento dos recém-nascidos prematuros que tiveram alta das UTIs Neonatais. Esses ambulatórios possuem equipe multidisciplinar e protocolo diferenciado para a assistência do bebê de alto risco para diversas morbidades e sequelas que podem ser minimizadas pelo acompanhamento de qualidade.

Método Canguru
O Estado dispõe de serviços habilitados para o Método Canguru, que consiste em atenção qualificada e humanizada ao recém-nascido prematuro e/ou de baixo peso que necessite de internação em Unidade Neonatal e à sua família. Para isso, promove o contato pele a pele do bebê com a mãe e/ou o pai e participação dos pais nos cuidados com o recém-nascido, com o objetivo de fortalecer o vínculo afetivo e favorecer o crescimento e desenvolvimento infantil saudáveis.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Cidade mineira registra 44,8ºC, a maior temperatura da história do Brasil
Inter busca, no mínimo, mais duas vitórias no Campeonato Brasileiro para garantir vaga na Série A
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde