Quarta-feira, 18 de Maio de 2022

Home Brasil Ministério da Saúde muda nota e retira tabela que sugere eficácia da hidroxicloroquina contra covid

Compartilhe esta notícia:

O Ministério da Saúde alterou uma nota técnica da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos (SCTIE) que sugeria que a hidroxicloroquina tem eficácia no combate à covid-19 e a vacinação, não, publicada há uma semana.

A alteração foi anunciada na última terça-feira (25), afirmando que a republicação da nota seria feita para “promover maior clareza no conteúdo e evitar interpretações equivocadas, como a de que a decisão critica o uso das vacinas covid-19”.

A única mudança na nota é a remoção de uma tabela que sugeria que a hidroxicloroquina é eficaz e segura e a vacinação, não.

Nela, o órgão do ministério dizia que a hidroxicloroquina tem efetividade em estudos controlados e randomizados, e que existiria a demonstração de segurança em estudos experimentais e observacionais. Ainda na tabela, constava a informação que as vacinas não atendem a esses requisitos.

Ao assumir o comando do ministério da Saúde, Marcelo Queiroga solicitou um estudo à Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias ao Sistema Único de Saúde (Conitec), que avalia a integração de medicamentos aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ao SUS, sobre a cloroquina e ivermectina.

Após meses de estudo, foi constatado que os medicamentos não são eficazes contra a covid.

Mesmo assim, o secretário da SCTIE, Helio Angotti Neto, disse que recusaria as recomendações do Conitec, fazendo a nota técnica do sábado.

Porém, mesmo com a alteração, a nota técnica ainda recusa os relatórios do Conitec.

Carlos Carvalho, médico que comandou os estudos sobre os medicamentos, anunciou que entrará com um recurso. Segundo a legislação da Comissão, a última análise será do ministro Marcelo Queiroga.

Pico da ômicron

Nesta semana, o ministro da saúde estimou que a onda da variante ômicron deve chegar ao ápice no Brasil no próximo mês. A nova cepa já representa mais de 90% das novas infecções no País, e conta até com uma sublinhagem sob investigações da OMS (Organização Mundial da Saúde) atualmente.

“O pico da onda ômicron acontece cerca de 45 dias após o início das infecções. Então temos que nos preparar para os próximos 30 dias, quando teremos o maior número de casos e, consequentemente, uma maior pressão sobre o sistema de saúde”, alertou o ministro, em coletiva de imprensa.

Com essa iminente alta na onda de casos, o Ministério da Saúde se concentra em avançar com a campanha de imunização e aumentar a capacidade de atendimento na rede pública. A Pasta chegou inclusive a prorrogar a ajuda de custo destinada a estados e municípios para a manutenção de leitos de UTI.

A estratégia da Pasta também envolve intensificar a testagem. A ideia é distribuir 80 milhões de testes rápidos de antígenos até março. Ainda assim, o Ministério defende a utilização dos autotestes, dos quais recentemente a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o recolhimento.

“Essas informações estão sendo discutidas com a área técnica, e o objetivo é concluir o mais rápido possível, para que a população brasileira que desejar adquirir testes em farmácia o faça. [Serve] Para ampliarmos a capacidade de testagem e termos um acompanhamento melhor do cenário epidemiológico”, concluiu o ministro.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Saiba quem são os favoritos para as duas vagas de ministro do Superior Tribunal de Justiça
Governo lança programa de qualificação para jovens e desempregados acima de 50 anos
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa