Terça-feira, 16 de Julho de 2024

Home Brasil Ministro de Lula critica projeto de lei Antiaborto e é aplaudido em culto evangélico

Compartilhe esta notícia:

O ministro de Direitos Humanos, Silvio Almeida, foi aplaudido por evangélicos ao criticar o PL Antiaborto em um culto de que participou na noite dessa sexta-feira (21). Almeida foi convidado a participar da celebração religiosa na Igreja Batista da Água Branca, na zona oeste de São Paulo, por um dos pastores do templo. Durante sua fala, o ministro de Lula disse que “está envenenado pela ideologia do ódio que quer que uma mulher estuprada seja presa”.

“Estou aqui por um chamado à democracia, à liberdade, à tolerância e aos direitos humanos. Valores que só prosperam num Estado laico. Estamos aqui porque amamos ao Brasil. Temos em comum a ideia de que o respeito e o cuidado são condições essenciais para a construção de uma sociedade livre, justa e solidária”, disse o ministro durante discurso no evento.

O ministro disse ainda que quem defende uma polícia violenta “é inimigo dos policiais e está enganado”. Apesar de receber apoio após a fala, parte dos evangélicos é favorável ao projeto de lei, que equipara a pena de aborto à de homicídio. O texto, inclusive, é de autoria do deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), considerado o porta-voz do pastor Silas Malafaia na Câmara e um dos principais herdeiros políticos do ex-presidente da Casa Eduardo Cunha.

Assembleia de Deus

O parlamentar eleito pelo Rio de Janeiro é membro da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo e um dos mais barulhentos defensores de pautas conservadoras no Parlamento. A urgência do projeto foi aprovada pela Câmara, mas o presidente Arthur Lira (PP-AL) recuou após repercussão negativa e deixou a votação para depois do período eleitoral.

Durante seu discurso, Silvio Almeida ressaltou a ligação do cristianismo com os direitos humanos. O ministro carrega a missão de estreitar a relação entre os evangélicos e o governo, que tem grande rejeição entre os religiosos.

A presença de Almeida, que é católico, no rito aconteceu a pedido do pastor Ed René Kivitz, cuja igreja é conhecida no meio evangélico por adotar posições mais progressistas. O líder religioso foi, também, um dos poucos a se posicionar publicamente contra uma reeleição de Jair Bolsonaro (PL). “Esse povo foi descoberto por uma ala político-religiosa com ambições escusas. Eles aprenderam nossas linguagens e enredaram sorrateiramente as mentes das massas”, disse o pastor Zé Marcos Silva, de Coqueiral (PE).

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Somente 12 das capitais brasileiras têm um plano local de ação climática; Porto Alegre, que sofreu com temporais, prepara o seu
Polícia Federal muda cronograma para o inquérito de Bolsonaro sobre os acontecimento de 8 de janeiro em Brasília
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa