Quinta-feira, 30 de Maio de 2024

Home em foco Ministros do futuro governo foram avisados de que extremistas tentarão impedir a posse de Lula

Compartilhe esta notícia:

Ministros escolhidos para o novo governo receberam informações de que um grupo de radicais vai tentar tumultuar e impedir a posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva, em 1º de janeiro.

Antes mesmo desse recado, porém, interlocutores de Lula já haviam iniciado conversas com militares, na tentativa de retirar apoiadores de Jair Bolsonaro acampados na frente dos quartéis. Até agora, não tiveram sucesso. Embora a cúpula do PT já esperasse protestos de extremistas após a cerimônia de diplomação de Lula e do vice Geraldo Alckmin pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na segunda-feira (11), a violência surpreendeu.

Aliados do presidente eleito estão convencidos de que os atos de depredação em Brasília, com ônibus e carros incendiados, barricadas e botijões de gás na rua, foram financiados por empresários. Alguns deles são investigados no inquérito das milícias digitais, conduzido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Lula acusou Bolsonaro de estar por trás das ações de vândalos, que não foram coibidas com rigor pela Polícia Militar do Distrito Federal. Ninguém foi preso.

O futuro ministro da Justiça, Flávio Dino, afirmou, por sua vez, que há uma “situação anômala” no País, na qual instalações militares estão “sitiadas” por um acampamento. “Não me recordo que isso tenha sido tolerado no passado pelas Forças Armadas”, comentou. Apesar do clima tenso, Dino garantiu ontem aos participantes do gabinete de transição que a posse de Lula ocorrerá, sem choro nem vela. “O presidente ‘sainte’ vai sair e o presidente ‘entrante’ vai entrar em 1º de janeiro”, resumiu.

Na prática, o indígena José Acácio Serere Xavante, pivô do quebra-quebra, é velho conhecido do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência. Foi após sua prisão, determinada por Moraes, que ocorreram explosões na capital da República. Nos últimos dias, Serere Xavante foi responsável pela convocação de “pessoas armadas” para impedir a diplomação e a posse de Lula.

Em 30 de novembro, o indígena – que também é pastor evangélico – liderou um protesto na Esplanada contra o resultado das urnas. “Nós não podemos admitir que o Lula sobe (sic) na rampa, que ele ocupa (sic) o cargo maior deste País”, gritou.

Agora, apoiadores de Bolsonaro que saíram do QG do Exército começam a acampar diante do Palácio da Alvorada. Ali, o presidente já avisou que “só Deus” o tira da cadeira. Nos bastidores, dirigentes do Centrão avaliam que, agindo assim, Bolsonaro perde capital político para liderar a oposição a Lula. Afinal, a quem interessa um Capitólio tupiniquim? (O Estado de S. Paulo)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Governo Lula quer uma mulher na presidência do Banco do Brasil
Governo vai desbloquear mais de R$ 2 bilhões do Ministério da Educação, diz ministro
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News