Sexta-feira, 19 de Julho de 2024

Home Política “Não buscamos palco nem holofote”, afirma Paulo Gonet ao assumir o comando da Procuradoria-Geral da República

Compartilhe esta notícia:

O novo procurador-geral da República, Paulo Gustavo Gonet, tomou posse na manhã desta segunda-feira (18), em Brasília. Em seu discurso, ele declarou que o MP (Ministério Público) não busca” palco nem holofote” e deve se ater à “harmonia entre os Poderes”.

“No nosso agir técnico, não buscamos palco nem holofote, mas, com destemor, havemos de ser fiéis e completos ao que nos delega o constituinte e nos outorga o legislador democrático. A harmonia entre os Poderes, fundada no respeito devido por cada um deles, as altas missões próprias e as dos outros, são pressupostos para o funcionamento proveitoso e resoluto do Estado Democrático de Direito. A isso, o MP deve ater-se e é isso que lhe incumbe propiciar”, declarou.

Segundo Gonet, o MP vive um momento crucial na história recente da democracia brasileira. “O instante é de reviver na instituição os altos valores constitucionais que inspiraram a sua concepção única na história”, disse.

“Sabemos que não nos foi dado formular políticas públicas, nem deliberar sobre a conformação social e política entre os cidadãos. Essas decisões essenciais estão reservadas ao povo, que se expressa pelos representantes eleitos para isso”, ressaltou Gonet.

Ao longo de sua fala, o procurador-geral da República classificou o MP como “corresponsável pela preservação da democracia”, apontando que cabe à instituição estimular e resguardar os valores republicanos.

“Devemos ser inabaláveis diante dos ataques dos direitos dos interesses contrariados e constantes diante das efervescências das opiniões ligeiras. Devemos, sobretudo, ter a audácia de sermos bons, justos e corretos”, enfatizou Gonet em outro trecho do discurso.

O novo procurador-geral da República foi indicado ao cargo pelo presidente Lula, que participou da solenidade de posse. A indicação foi aprovada pelo Senado na semana passada.

Gonet substituiu Augusto Aras no comando da PGR (Procuradoria-Geral da República). Conforme a Constituição Federal, o mandato do procurador-geral é de dois anos, com possibilidade de recondução ao cargo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Na posse do novo procurador-geral da República, Lula diz que o Ministério Público “não pode achar que todo político é corrupto”
Em decisão histórica, Vaticano autoriza bênção para casais do mesmo sexo
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde