Sábado, 21 de Maio de 2022

Home Brasil Não há vacina experimental sendo aplicada, diz diretora da Anvisa

Compartilhe esta notícia:

A diretora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Meiruze Sousa Freitas, reforçou nesta quinta-feira, 20, durante o voto favorável que concedeu para o uso da vacina Coronavac para jovens de 6 a 17 anos que “não há nenhuma vacina experimental sendo aplicada no país”, termo que é comumente utilizado por pessoas contrárias à imunização.

Meiruze também relembrou os procedimentos criteriosos adotados pela agência para a aprovação de vacinas e medicamentos. “A Anvisa apenas aprova uma vacina contra a covid-19 após uma avaliação criteriosa que demonstra o cumprimento de padrões de qualidade, segurança e eficácia exigidos para qualquer vacina que seja utilizada no Brasil”.

E acrescentou ainda que todas vacinas aprovadas passaram pelas fases 1,2 e 3 antes de serem disponibilizadas no país. “As pessoas não são cobaias”, afirmou.

CoronaVac para crianças

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu aprovar nesta quinta-feira a imunização em caráter emergencial de crianças e adolescentes sem comorbidades entre 6 a 17 anos contra covid-19 com a vacina CoronaVac.

A diretoria seguiu a linha da recomendação apresentada pelo gerente-geral de Medicamentos, Gustavo Mendes, de que para esse público-alvo foram apresentados dados que atestam os benefícios dessa imunização, reduzindo a ocorrência de casos graves, internações e mortes.

“A totalidade das evidências científicas disponíveis sugerem que há benefícios e segurança para utilização da vacina na população pediátrica”, disse Gustavo, ao destacar que a dosagem da vacina é a mesma que a dos adultos.

A agência concordou parcialmente com o pedido que tinha sido apresentado pelo Instituto Butantan, vinculado ao governo paulista.

O pedido original era para que fossem aplicadas em crianças e adolescentes entre 3 a 17 anos independentemente de terem qualquer tipo de comprometimento da imunidade. Mas a diretoria entendeu que não foram apresentados dados suficientes para garantir segurança para esse público estendido.

A aplicação da CoronaVac será em duas doses, com intervalo de 28 dias.

O gerente da Anvisa disse que, dessa vez, foram apresentados o estudo de fase 3 sobre o desempenho da vacina para crianças liberada no Chile. Em agosto passado, a agência rejeitou o uso do imunizante para o público pediátrico.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Em baixa nas pesquisas eleitorais, senador Rodrigo Pacheco deve abrir mão de pré-candidatura à Presidência
Bolsonaro planeja aproximação com o partido União Brasil para neutralizar Sérgio Moro
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News