Quarta-feira, 29 de Junho de 2022

Home Ciência Nasa vai precisar de mais astronautas para missões interplanetárias

Compartilhe esta notícia:

A Nasa não tem astronautas suficientes para contemplar todos os seus projetos de exploração do espaço, de acordo com levantamento feito pela divisão de investigação da própria agência. Segundo o documento, a administração espacial norte-americana precisará recrutar mais candidatos se quiser ter sucesso em missões interplanetárias.

O relatório foi produzido levando em consideração o avanço de projetos mais grandiosos – como o Programa Artemis que levará o homem de volta à Lua até 2024 ou, mais para frente, a chegada de uma tripulação humana a Marte.

Atualmente, as únicas missões tripuladas da Nasa são aquelas rumo à Estação Espacial Internacional (ISS). Lá, a agência mantém uma presença constante com uma tripulação rotativa de três viajantes. Entretanto, o avanço das tecnologias e programas de exploração espacial devem forçar a agência espacial a abrir mais vagas para candidatos a viajantes interplanetários.

“Após atingir o seu pico de quase 150 astronautas no ano 2000, o tamanho do corpo de viajantes diminuiu com o fim dos ônibus espaciais, em 2011, agora marcando 44 tripulantes – um dos menores conjuntos nos últimos 20 anos”, diz trecho do relatório divulgado no dia 11.

“Conforme a Nasa entra em uma nova era de voos humanos ao espaço, incluindo o retorno à Lua e, eventualmente, o pouso em Marte, o gerenciamento eficaz de seu corpo de astronautas – as pessoas que voam em suas missões espaciais – será essencial para o sucesso da agência”, o documento afirma.

É importante ressaltar que, embora o termo “astronauta” evoque a percepção de ”viajar para o espaço”, o termo é bem mais abrangente em suas funções, incluindo também especialistas de comunicação que ficam aqui na Terra, mas em constante contato com sondas e outros veículos autônomos. Basicamente, qualquer pessoa aprovada no treinamento “para astronautas” é, por definição, um astronauta – ainda que ele ou ela não necessariamente faça uma viagem tripulada.

O problema é que, desde meados de 2011, com o fim do programa que criou os ônibus espaciais, a Nasa tem visto, em média, cerca de 10 astronautas se aposentando todo ano. Os ônibus espaciais eram, até então, a principal oportunidade de viajar para o espaço e, com o fim do programa, as possibilidades de voo foram ficando mais e mais escassas: as viagens à ISS obedecem a parâmetros bastante específicos, e levam apenas um número limitado de pessoas.

Há ainda um outro fato levantado pelo relatório: os astronautas não são substituíveis. As decisões que levam um astronauta “X” a ser convocado para um voo “Y” são baseadas em fatores que consideram desde a experiência de voo daquela pessoa, até seu campo de estudo e até mesmo a sua familiaridade com o veículo a levá-lo na viagem. Isso, contudo, ficará ainda mais complicado conforme os mesmos astronautas voam em diferentes tipos de missões.

“Com um volume [de astronautas] assinalado para uma única missão, como é hoje com a ISS, o Escritório de Astronautas da Nasa está em uma posição de rapidamente remanejar seus astronautas, pois todos os seus 44 oficiais já foram selecionados e treinados para a mesma missão”, diz o relatório. “Contudo, conforme a agência aceita novas missões, com novas necessidades e novos veículos, menos astronautas estarão treinados e disponíveis para cada uma delas”.

Na última chamada para seleção de astronautas, em dezembro de 2021, 10 candidatos foram selecionados e vão agora começar o treinamento físico – que dura cerca de dois anos. O curso anterior, em janeiro de 2020, formou 11 candidatos. No caso de missões para a ISS, o treinamento após a formação do curso costuma durar cerca de 18 meses, e os graduados mais recentes já estão na estação: Raja Chari e Kayla Barron.

Trocando em números: a classe mais recentemente formada provavelmente não vai voar antes de 2025.

No caso do Programa Artemis, o tempo de treino é mais ou menos o mesmo, mas embora a NASA já tenha determinado quais astronautas trazer para a primeira missão, ela ainda não determinou os assentos a serem ocupados por eles, nem tampouco desenvolveu o treinamento específico para as missões na Lua. Ou seja, o entendimento do relatório é o de que o tempo está passando.

“Embora o Escritório de Astronautas estime que o treinamento para a missão Artemis 3 e todas as subsequentes leve em torno de dois anos, mesmo com os atrasos já esperados para os lançamentos das missões Artemis 2 e Artemis 3, a agência pode estar superestimando a disponibilidade de tempo e implementação na necessária grade de treino por todos os sistemas essenciais do Programa Artemis”, diz o texto.

Com base nessas conclusões, o relatório fez uma série de recomendações, como ampliar o leque demográfico de pesquisa de candidatos – a fim de incluir outras especializações (por exemplo: pessoas com formação em Geologia, para missões que vão tocar a superfície de outro planeta – atualmente, somente quatro dos 44 astronautas no quadro entendem do assunto).

A administradora associada de operações espaciais da Nasa, Kathy Lueders, recebeu o relatório e, em comentário oficial, disse que a agência concorda com todas as recomendações feitas e tem intenção de executá-las “em novembro”, sem dizer se a estimativa é “a partir de” ou “até” o fim deste ano – o que dá uma grande variação de tempo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Apple lança iOS 15.2.1 com correção de bug que reiniciava o iPhone
National Geographic revela lista dos melhores destinos para 2022
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde