Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2024

Home Copa do Mundo 22 Neymar chega à terceira Copa do Mundo da carreira como o principal jogador do Brasil

Compartilhe esta notícia:

“Neymar” é praticamente um sinônimo de futebol alegre, dribles bonitos, jogadas fantásticas e golaços. Às vezes, também lembram brincadeiras, nem sempre compreendidas pelos adversários, árbitros torcida e crítica. Mas ele sempre foi referência para os jovens – um deles comprova isso bem de perto.

Aos 30 anos, o atacante busca enfim corresponder às expectativas sobre sua importância para o Brasil após surgir em 2010 como grande esperança para a conquista do hexacampeonato, que não vem há 20 anos. Após dois Mundiais decepcionantes, por lesão e eliminação, chegou a vez de deixar, enfim, uma impressão que justifique sua trajetória desde que explodiu.

Na seleção, a história já está escrita parcialmente. Nono maior artilheiro do Brasil em Copas, ao lado de Bebeto e Rivellino, com seis gols, Neymar terá a oportunidade de encostar em grandes nomes, como Careca (7 gols), Rivaldo (8) e os mais antigos como Leônidas da Silva (8), Vavá, Jairzinho e Ademir de Menezes (os três com 9 gols). Pelé, o maior de todos, tem 12. O grande goleador, porém, segue sendo Ronaldo, com 15 gols.

Mas estar no centro das atenções desde antes de completar 18 anos não traz só coisas boas. Polêmicas leves, como a fama de “Cai-Cai”, ou sérias, como os processos judiciais aos quais responde, sempre estiveram presentes na carreira do atacante. Apesar disso, Neymar chega para a Copa do Mundo deixando a pecha de “Menino Ney” definitivamente para trás.

“O Neymar é um ídolo nosso. Eu quando eu era moleque cortava moicano para ser igual a ele, andava com a camisa do Santos com o número dele nas costas”, conta Richarlison, centroavante da Seleção Brasileira.

“Gostaria que vocês tivessem uma câmera totalmente escondida para ver como ele age no nosso dia a dia, e como dá confiança aos garotos e os encoraja eles. Tem um lance, não sei se o Raphinha, o Antony ou o Rodrygo, que foi dar uma caneta em direção ao gol, e alguém atrás falou: “toca logo”. Aí ele olhou e disse: “Deixa ele ir para dentro”, porque a gente está no processo criativo, incentiva e encoraja o moleque para ir para dentro. Se ele errar eu vou estar ajudando”, relata Tite, treinador do Brasil.

Richarlison concorda com o técnico da Seleção.

“Ele tem aquele momento que ele é assim de resenha, ele tem aquele momento assim que é mais na dele, mas é um cara muito responsável na Seleção, é um cara líder também no grupo”.

Mais do que a bola na rede, o grande objetivo de Neymar no Catar é ser o protagonista capaz de carregar a seleção para o título de uma forma mais coletiva. Ele persegue isso mais do que prêmios individuais como a Bola de Ouro da Fifa.

Todos sabem que Neymar é craque. O que os torcedores querem, e ele também, é distância das polêmicas e foco no que acontece dentro das quatro linhas, feliz em ver a bola dentro da rede. Quando isso acontece, será difícil parar o camisa 10.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Copa do Mundo 22

Copa do Mundo: presidente da Fifa comenta proibição da cerveja e diz que torcedores “vão sobreviver”
Presidente da Fifa acusa Europa de hipocrisia por críticas ao Catar e justifica escolha: “Não somos a ONU”
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa