Domingo, 03 de Julho de 2022

Home Brasil Número de incidentes com tubarões no litoral brasileiro em 2021 é o maior da década

Compartilhe esta notícia:

Três pessoas foram feridas por tubarões e uma morreu depois de ser mordida pelo animal este ano. O incidente fatal aconteceu em Jaboatão dos Guararapes (PE) e envolveu um tubarão-tigre, segundo pesquisadores da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Nos últimos 90 anos, 112 pessoas já foram feridas ou mortas por esses animais no litoral brasileiro. Mas isso não deve ser motivo para pânico.

O biólogo marinho Rafael Franco, gerente técnico do Aquário Marinho do Rio de Janeiro (Aquario), diz que os tubarões estão presentes em todo o litoral brasileiro. “O tubarão sempre existiu e sempre vai existir. Ele é o topo da cadeia alimentar e é importante para a manutenção do ecossistema”, afirma.

O principal motivo para o aumento de incidentes com tubarões, segundo ele, é o desequilíbrio ambiental que pode ser provocado, entre outros motivos, pela pesca em excesso e por obras na faixa litorânea (como a construção de portos e o alargamento da faixa de areia).

Mais de 80 espécies de tubarão vivem no litoral brasileiro. Os animais estão presentes em toda a costa, do Oiapoque (AP) ao Chuí (RS). De acordo com o Arquivo Internacional sobre Ataques de Tubarões, no Brasil há registros de incidentes envolvendo quatro espécies do animal: mangona, tigre, branco e cabeça-chata.

As ocorrências mais recentes foram registradas em novembro no litoral paulista. Duas pessoas foram mordidas por tubarões em Ubatuba e Ilha Comprida, nos dias 3 e 15, respectivamente. São Paulo não tinha acidentes desse tipo desde 2003, segundo o Arquivo Internacional sobre Ataques de Tubarões do Museu Natural da Flórida (Estados Unidos).

O aumento de incidentes e do aparecimento de tubarões assustam, mas as mortes causadas pelo animal são muito raras no Brasil. Nos últimos dez anos, cinco pessoas morreram por mordida de tubarão nas praias brasileiras – uma morte a cada dois anos, em média. Dados do DATASUS mostram que é mais provável que o brasileiro seja morto por centopeias ou cachorros do que por tubarões.

Desequilíbrio

Incidentes com tubarões são raros e, geralmente, acontecem em locais onde há desequilíbrio ambiental. Franco explica que em muitas praias é possível observar tubarões e seres humanos nadando lado a lado. “Quanto mais equilibrado é o ecossistema, mais seguro é para o ser humano.”

Os problemas costumam aparecer quando o peixe está estressado, com a visão prejudicada ou em busca de comida. O biólogo afirma que o tubarão não se alimenta – nem gosta – da carne humana. No entanto, pode confundir a pessoa com algum animal marinho e acabar mordendo uma perna ou um braço. “A forma que o tubarão tem de ver se aquilo ali na frente dele, um alimento, é ‘provando’. O problema é que essa ‘prova’ pode arrancar a perna da pessoa”, diz.

Outros tubarões atacam os seres humanos porque são territorialistas, segundo Franco. É o caso dos tubarões branco e cabeça-chata. “Eles se enxergam como o ‘rei’ do mar”, diz Franco. Esses animais identificam o surfista ou o banhista como uma ameaça ao seu território e mordem na tentativa de afastá-los.

A pesca em excesso também pode aumentar o número de encontros entre humanos e tubarões. “Se aumentar a captura dos peixes que o tubarão costuma comer, ele vai acabar nadando até águas mais rasas para buscar o alimento”, explica o biólogo. O crescimento da atividade pesqueira também faz aumentar as chances de se pescar um tubarão.

Grandes obras que mexem com a estrutura das praias são outro ponto importante de desequilíbrio ambiental e contribuem para o aumento da incidência de tubarões. É o caso da praia de Boa Viagem, que tem placas alertando os turistas sobre os perigos envolvendo o peixe. O crescimento no número de ataques se deu na década de 1990, quando o Porto de Suape, a 30 quilômetros dali, passou a operar com mais intensidade.

Dicas

Franco dá algumas dicas para reduzir as chances de um encontro fatal com tubarões. A primeira é respeitar as orientações das autoridades locais. Se há placas na praia informando sobre a presença de tubarões, não entre no mar. Respeitar o animal também é importante, afinal aquele é o hábitat natural dele. Caso encontre algum tubarão no mar, não tente tirar fotos com ele nem toque no animal.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Proteja-se de criminosos que invadem contas no Instagram: falsos anúncios na plataforma levam pessoas a perder dinheiro e a ter o acesso ao aplicativo bloqueado
Governo brasileiro facilita entrada de empresas aéreas estrangeiras
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa