Segunda-feira, 04 de Julho de 2022

Home Saúde O mundo está entrando na quinta década da Aids, doença que já matou mais de 36 milhões de pessoas

Compartilhe esta notícia:

“Bota a camisinha, bota, meu amor / Que hoje tá chovendo, não vai fazer calor.” A marchinha de João Roberto Kelly cantada pelo apresentador Chacrinha estourou em 1987. Ninguém estranhava, nos anos 1980 e 1990, a irreverência das campanhas para a prevenção contra o vírus HIV para adultos, adolescentes ou grupos específicos.

O vírus da Aids foi identificado pela primeira vez no início dos anos 80. O primeiro caso no Brasil foi em 1983, na cidade de São Paulo. O mundo está entrando na 5ª década do surgimento do HIV, e apesar de continuar existindo infecção e mortes, o Brasil está mais acanhado no enfrentamento ao vírus.

Mas o fluxo de informação não pode parar. Por isso, a Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia), que tem como foco o acompanhamento das políticas públicas, a formulação de projetos de educação e prevenção ao HIV e à Aids, vai realizar uma live em formato de talk show na quarta-feira (18), via zoom, para abordar essas questões. A partir daí, o canal da instituição no YouTube vai disponibilizar uma série de cinco entrevistas com especialistas da Abia.

Mais de 36 milhões já morreram de doenças relacionadas à Aids no mundo. O vice-presidente da Abia, Veriano Terto Junior, que é doutor em Saúde Coletiva, lembra que o Brasil tem uma boa experiência no enfrentamento à epidemia, com acesso universal aos medicamentos distribuídos pelo SUS.

“Quanto menos carga viral no corpo em tratamento, menor a chance de infectar outras pessoas. No Brasil, conseguimos um número próximo de 70% das pessoas diagnosticadas com HIV e em tratamento com carga viral indectável, o que é um dado muito bom”, comenta.

Para o especialista, combater o HIV deixou de ser prioridade para governos e órgãos de saúde publica. “O tratamento é mais precário onde há populações que ‘não interessam’ para o mundo: pobres, trans, países africanos. Nesse contexto cada vez mais conservador, as pessoas são vistas como problemas, ameaças, e isso acaba afetando a maneira de ver a Aids. É mais uma doença da pobreza e dos potenciais ‘doentes’ da sociedade”, expõe a ferida.

Tuberculose

No Brasil, temos uma estimativa de 10 mil mortos por ano, sendo que cerca de 30% estão relacionados à coinfecção com a tuberculose. Quem tem HIV está mais suscetível de adquirir a outra doença? Sim, mas somente quem não está em tratamento. É comum que quem tem tuberculose faça o teste para HIV e vice-versa. Aliás, duas doenças altamente estigmatizadas.

O preconceito é uma barreira teimosa para um mundo que há 40 anos luta contra uma epidemia. Até hoje, quem se infecta com o HIV, desenvolvendo Aids ou não, é ‘apontado’ pela sociedade, o que acaba gerando um prejuízo emocional ao paciente.

“A pessoa pode ter depressão, porque não pode revelar sua condição no trabalho, tem dificuldades sociais e de iniciar relacionamentos. Pior: no Brasil, não temos uma legislação que proíba empresas de submeter as pessoas a testes de HIV”, aponta Veriano.

Quando uma pessoa adquire o vírus mas não está com nenhum tipo de infecção oportunistas e sistema imunológico não está deteriorado, diz-se que ela possui HIV. Para dizer que alguém está com Aids, além de ter o vírus, a pessoa necessariamente padece de alguma infecção oportunista e está com a imunidade seriamente afetada.

“Já quando a pessoa inicia tratamento retroviral e diminui a quantidades de vírus a níveis indetectáveis, ela deixa de transmitir o vírus. Isso se chama tratamento como prevenção. Mas é preciso manter o tratamento para continuar assim”, explica o coordenador da área de Prevenção e Promoção de Saúde da instituição, o médico e psicoterapeuta Juan Carlos Raxach.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Tombo da Netflix indica que “farra” do streaming pode estar perto do fim
População de baleias cresceu muito no Brasil nas últimas duas décadas
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde