Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Home em foco Ômicron, o divisor de águas. Seria a cepa o capítulo final da pandemia?

Compartilhe esta notícia:

A explosão de casos provocados pela ômicron não vem sendo acompanhada por um expressivo aumento no número de mortes. A partir disso, começa-se a especular que a nova variante indicaria o fim da pandemia da covid. Especialistas consideram que, sim, isso é possível. Mas não é certo.

“O sentido da vida é passar os genes para frente. Com o vírus não é diferente. Um vírus que mata demais alerta os hospedeiros e começa a ter um insucesso evolutivo. A vantagem evolutiva é daquele que se transmite muito, causando o mínimo de doença possível. Matar, então, nem pensar. O bem-sucedido não causa doença nunca. Então, a tendência é que um dia, em décadas, ele vire um resfriado”, explica o virologista Fernando Spilki, coordenador da Rede Corona-ômica, que sequencia e analisa o genoma do coronavírus em todo o Brasil.

No entanto, Spilki pede cautela com essa hipótese:

“Não vamos voltar a 2020, mas novas variantes vão acontecer, não se para a evolução, e, na perspectiva mais otimista, essa mutação viria mais atenuada. Mas é biologia, não uma ciência exata, por isso o ideal é tentar mitigar esse processo por meio da vacinação. Talvez estejamos indo para um caminho de atenuação. Não dá para dizer que nenhuma variante vai ser mais grave. A pandemia começou a acabar quando a vacinação engrenou, mas a vitória é nossa e não é porque ele ficou atenuado.

De acordo com o virologista, para que, de fato, esse caminho em direção ao fim da pandemia se concretize é necessário que as vacinas passem por uma atualização. Seria muito difícil, a curto prazo, conseguir imunizantes que bloqueiem totalmente a infecção, mas ele defende o desenvolvimento de vacinas mais próximas das mutações que vêm sendo observadas com o intuito de bloquear a multiplicação do vírus na pessoa, fazendo com que transmita menos.

Outro aspecto em discussão é o efeito de tanta gente infectada, reforçando a imunização natural, na pandemia. A Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que, nas próximas semanas, metade da população europeia deve ser infectada pela ômicron. Para Ludhmila Hajjar, intensivista e professora de cardiologia, a conjunção de fatores é protetora e corrobora a ideia de que a pandemia possa caminhar para o fim.

“Temos pela primeira vez a junção de dois fatores: uma variante altamente prevalente infectando muita gente imunizada. Isso faz com que um número alto de pessoas se infecte com a forma branda da doença, o que é bom para a imunização. Não podemos, no entanto, baixar a guarda com a vacinação.”

Novas variantes

O surgimento de novas variantes ainda é o maior empecilho para que, realmente, seja possível ver o fim do túnel. O geneticista Salmo Raskin, explica que elas certamente surgirão. A questão é como serão:

“A ômicron está infectando quem está vacinado, mas eles praticamente não têm doença grave. Mas e a próxima variante? Será que o coronavírus não vai evoluir para ser tão infectante quanto a ômicron e tão letal quanto a delta? Não há evidências para cravar que essa variante é o fim da pandemia.”

Para o infectologista Julio Croda, o cenário é otimista, mas ele explica o que pode acontecer caso uma nova variante escape à proteção clínica das vacinas.

“Se a vacina parar de funcionar para hospitalização e óbito vai ser necessário adaptação nos imunizantes, o que leva tempo, e a onda epidêmica seria bastante importante. Se isso acontecer, não saímos do período pandêmico, vamos entrar em ondas de variantes que precisam de vacinas adaptadas”, pondera. “Mas não é isso que tem se mostrado por enquanto. O cenário é otimista, indicando que com o tempo e imunidade, natural ou por vacina, cada vez vamos estar mais protegidos contra novas variantes, mas é impossível prever o futuro com exatidão.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Revelação de festa antes de funeral do príncipe Philip agrava crise para Boris Johnson no Reino Unido
Ministra da Espanha diz que vem ao Brasil discutir reforma trabalhista com Lula
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde