Domingo, 14 de Julho de 2024

Home Saúde Os 6 sinais de que o ritmo cardíaco pode estar fora do normal

Compartilhe esta notícia:

Nem sempre nosso coração bate como deveria. E não é todo mundo que percebe essas alterações. O tipo mais comum de arritmia cardíaca é a fibrilação atrial (FA), que provoca irregularidades nos batimentos cardíacos, aumentando o risco de um derrame.

Este problema é responsável por 33% de todas as internações por arritmia. A fibrilação atrial está associada a eventos de acidente vascular cerebral (AVC) em pacientes com fatores de risco, como idosos, coração dilatado, pressão alta e diabetes. Além disso, está ligada também ao desenvolvimento de insuficiência cardíaca — condição que enfraquece o coração.

Esta doença faz com que o átrio (parte superior do coração) perca sua capacidade de contrair. Isso possibilita a formação de coágulos. O deslocamento do coágulo provoca um AVC.

Os principais sinais de alerta da fibrilação atrial são:

– Palpitação: A pessoa sente que os seus batimentos cardíacos estão irregulares, o que pode causar desconforto.

– Dor no peito: É possível que a pessoa sinta dores no peito por conta do ritmo irregular dos batimentos cardíacos.

– Cansaço: Atividades que faziam parte da rotina passam a causar muito cansaço, fazendo com que a pessoa sinta dificuldades de executá-la.

– Tontura: Por conta na alteração dos batimentos cardíacos, a pessoa pode sentir uma tontura ao se levantar.

– Visão turva: Algumas vezes, associado à tontura, a pessoa pode ficar com a visão turva por alguns instantes.

– Suor em excesso: Quem tem algum tipo de arritmia pode ter crises de sudorese.

A fibrilação atrial faz com que o coração dilate. Com o novo tamanho, o órgão entra no processo chamado de remodelamento (alteração anatômica e elétrica), que torna mais difícil o controle da arritmia. Por conta disso, é fundamental ficar atento aos possíveis sintomas e procurar ajuda médica para um diagnóstico precoce.

O diagnóstico é feito por meio de avaliação clínica, exame físico e eletrocardiograma. O tratamento, normalmente, é feito com medicamentos — principalmente anticoagulantes para prevenir AVC —, além de mudanças do estilo de vida, como passar a ter uma alimentação balanceada e praticar atividades físicas.

A maioria dos casos pode ser tratada com medicamentos e mudanças no estilo de vida, como passar a ter uma alimentação balanceada e praticar atividades físicas. Um dos principais remédios é É absolutamente fundamental o uso de medicações anticoagulantes (para afinar o sangue) para prevenir o AVC em pacientes com fatores de risco. Atualmente, a ablação por cateter é uma ótima opção de tratamento, especialmente nos pacientes mais jovens com coração normal e que apresentam sintomas.

A abordagem mais empregada é o isolamento elétrico das veias pulmonares (vasos que levam o sangue do pulmão para o coração), que pode ser obtido com a ablação por radiofrequência (energia a calor) utilizando mapeamento eletroanatômico tridimensional ou a crioablação (energia a frio) com balão.

Os resultados da ablação por cateter dependem do tipo e das condições clínicas associadas. Os melhores resultados são obtidos em pacientes com FA intermitente (paroxística) sem outras doenças associadas. A taxa de sucesso em longo prazo é cerca de 70 a 80%.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Um terço dos planetas mais comuns da galáxia pode estar em zona habitável
Enxertos ósseos à base de amido são desenvolvidos em pesquisa da Universidade de São Paulo
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News