Segunda-feira, 29 de Novembro de 2021

Home Economia País cria vagas, mas salário de contratação “encolhe” com inflação e desemprego

Compartilhe esta notícia:

O País está criando mais empregos com carteira assinada em 2021, mas, com a disparada da inflação e com o número ainda elevado de desempregados disputando uma vaga, os salários oferecidos estão cada vez mais baixos.

Levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostra que a remuneração média real de contratação – descontada a inflação – está menor do que a oferecida há 1 ano em dois terços das ocupações que mais geram vagas no País.

“Das 100 principais profissões, só um terço delas só conseguiram ganhar da inflação. É o menor índice do ano e, agora, com a inflação já passando de 10% em 12 meses está ficando mais difícil. Isso vai corroendo os ganhos” , afirma o economista Fabio Bentes, autor do levantamento.

O estudo foi feito a partir do dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), considerando as 100 ocupações com o maior número de brasileiros empregados, que correspondem a 72% do estoque total de empregos formais no Brasil.

No comparativo do salário inicial médio pago em agosto com o que era oferecido em agosto do ano passado, só 34% das profissões ganharam da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Veja no gráfico abaixo:

Salário médio é o menor dos últimos 12 meses

Segundo os dados do Caged, o salário médio real de admissão no País no mercado formal foi de R$ 1.792,07 em agosto – o menor valor dos últimos 12 meses. Descontada a inflação, o valor representa uma queda de R$ 25 em relação a julho (R$ 1.817) e de R$ 113 na comparação com agosto do ano passado (R$ 1.905).

“A ocupação entre as profissões está crescendo. Mas, embora o mercado de trabalho esteja reagindo, essa aceleração dos preços nos últimos meses está corroendo ganhos de renda do mercado formal de forma sistemática desde junho”, afirma Bentes.

Os números do Caged mostram que o País continua gerando vagas com carteira assinada em todos setores da economia, apesar da perda de fôlego da economia nos últimos meses. Segundo os dados oficiais, nos oito primeiros meses do ano foram criadas 2,2 milhões de vagas. Os dados do IBGE mostram, entretanto, que ainda são mais de 14 milhões de desempregados no país.

“Do ponto de vista de geração de vagas no mercado formal, 85% das profissões estão gerando mais vagas do que destruindo, o que é bastante positivo. O grande problema é que do ponto de vista da renda, dois terços das profissões que mais geram vagas estão perdendo da inflação em um momento que o país tem uma taxa de desemprego ainda muito alta”, destaca o economista.

Ele explica que, nas poucas ocupações com ganho real nos salários de admissão, a alta está associada a uma maior demanda neste período de reabertura da economia ou à escassez de mão de obra qualificada, com destaque para as áreas de TI (tecnologia da informação), comércio eletrônico e de saúde.

“O salário de admissão de um médico clínico é de quase R$ 8.500, o que representa um ganho real de mais de 15% em 12 meses. Mas para a maioria das ocupações, os salários de admissão são baixos, para pessoas que ganham até dois salários mínimos”, observa.

Segundo o levantamento da CNC, em 59 das 100 profissões que mais empregam no País o salário inicial é de no máximo 2 salários mínimos (R$ 2.200).

Menor poder de barganha

Além da inflação nas alturas, o número elevado de pessoas disputando uma vaga no mercado de trabalho é outro fator que comprime o espaço para ganhos reais nos salários de contratação. Ou seja, para sair do desemprego, os candidatos têm aceitado a ganhar um valor menor.

“Diante da demanda absurda por vagas de emprego, a tendência nos setores que você tem uma facilidade de entrada maior é que o salário médio de entrada não seja reajustado pela inflação que está muito alta”, afirma o economista da CNC.

“Quem está procurando emprego tem boas chances de encontrar, mas essa vaga não vai pagar o mesmo salário real em relação ao ano passado. Talvez só no ano que vem, mas vai depender do País controlar um pouco mais a inflação”, acrescenta.

Para quem já está empregado, a situação também é de arrocho salarial. Segundo o boletim Salariômetro, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), 50,5% dos acordos e convenções coletivas realizadas no País entre janeiro e setembro resultaram em reajustes abaixo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado até a data-base.

A expectativa atual do mercado para a inflação em 2021 está em 8,69%, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central. Para 2022, a projeção está em 4,18%.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Prédio desaba em Nilópolis, no Rio de Janeiro; 2 são resgatados com vida
Sine de Porto Alegre tem 413 vagas de emprego cadastradas nesta semana
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Bom Dia