Terça-feira, 17 de Maio de 2022

Home Cláudio Humberto Pandemia perde força no Brasil e no mundo

Compartilhe esta notícia:

A população brasileira vai perceber os efeitos práticos da queda acentuada, em fevereiro, de casos e mortes relacionados à covid. No Brasil, despencou de 189,5 mil para 77,4 mil casos e de 951 para 678 óbitos, em média. Como em várias localidades mundo afora, logo o Brasil adotará medidas de relaxamento. Como no Estado da Virgínia ou na Casa Branca de Joe Biden, o uso obrigatório de máscaras será passado.

Tendência mundial

Na Europa, a Dinamarca, Noruega e Reino Unido acabaram há dez dias com todas as restrições relacionadas à covid.

Desabando

Em relação ao pico da ômicron, o número de casos ativos caiu 59,2%, como demonstram os números da Rede Nacional de Dados da Saúde.

No mesmo caminho

Segundo especialistas, mortes refletem o que acontece nos casos com atraso de duas a três semanas. A média já caiu 28,7% desde o pico.

O fim está próximo

No Brasil, São Paulo e Distrito Federal, entre outros, reforçaram medidas restritivas para combater a ômicron no início do ano.

Folga do Carnaval acaba, exceto no Congresso

Após usar a ômicron para dar aquela esticada no recesso até o fim do Carnaval, a Câmara dos Deputados marcou para esta Quarta-Feira de Cinzas (2) a retomada do trabalho presencial, mas por enquanto “trabalho” é só força de expressão.

Ainda seguirá em ritmo de festa com um sistema híbrido, sendo metade em teletrabalho. Parece pouco, e é, mas bem mais que o Senado, cujo presidente roda-presa não deu previsão de volta ao batente para além da embromação habitual.

Sem dor de cabeça

O sistema remoto deixou os presidentes da Câmara e do Senado mal acostumados, pois os poupa de longas sessões, gritaria e obstrução.

Também pudera

A marcha lenta no Senado tem um outro motivo. Dois terços dos senadores estão no meio do mandato, têm mais quatro anos no “céu”.

Melhor cenário

Com trabalho semipresencial, há a expectativa de que as comissões da Câmara elejam os novos presidentes e voltem a analisar projetos.

Patriotismo

À parte a estupidez da guerra, dá gosto ver o patriotismo e a união dos ucranianos, neste momento trágico, e também dos russos no apoio à invasão. Em ambos os casos, todos defendem seus próprios países.

Mentira repetida mil vezes…

Uma das mentiras frequentes sobre a embaixada do Brasil em Kiev cita suposta recomendação de “ficar em casa”. Já na primeira nota pública, momentos após o início da invasão, a embaixada já recomendava que brasileiros “como meios próprios” deveriam deixar a Ucrânia.

Preocupação zero

Ao citar notícia sobre o triplo de inundações devido a mudança climática, o deputado José Medeiros (Pode-MS) ironiza: “Se acontecer isso no Brasil, o resto do mundo já acabou pois temos 70% de vegetação nativa”.

Turismo de guerra

O deputado Arthur do Val (Pode-SP) foi criticado nas redes sociais por ir à Ucrânia, alegando que “está de recesso”. A maioria fala que a “ajuda” seria mais adequda às vítimas das enchentes em São Paulo.

Fato marcante

O senador Lasier Martins (PSD-RS) foi muito tietado ao visitar a Festa da Uva, em Caxias do Sul, onde relembraram o choque que o então jornalista sofreu há 26 anos. “É inevitável”, disse, bem-humorado.

Reapareceu

Na convenção de conservadores CPAC, Donald Trump foi ovacionado ao citar Bush, Obama e Biden, e lembrar que ele foi o único presidente dos Estados Unidos no século 21 em cujo mandato a Rússia não invadiu um país.

Cuidado ou paranoia?

Alguns parlamentares norte-americanos especulam que a distância entre Vladimir Putin e seus ministros, em fotos oficiais, pode indicar o estado de saúde do russo, que parece “cuidadoso demais” na prevenção anticovid.

Outra pandemia

O Ministério da Infraestrutura assinou um termo de compromisso com a Anfavea (fabricantes de veículos) e o Sindipeças (peças para veículos) para aumentar os esforços na redução de mortes e lesões no trânsito.

Pensando bem…

… Pandemia, enchente, guerra… Parecem menos manchetes jornalísticas e mais prenúncios bíblicos.

PODER SEM PUDOR

Cobras à espreita

Jânio Quadros nunca teve muito apreço por jornalistas. Considerava-os como a serpentes. No final dos anos 1980, prefeito paulistano, ele foi à casa do deputado estadual Fauze Carlos (PTB) para se encontrar com o presidente nacional do partido, Paiva Muniz. Deparou-se com dois jornalistas, que, claro, logo pediram uma “conversa rápida”. “Ah, são só dois?…” Os repórteres se animaram, mas só até ele completar, às gargalhadas: “…E não dá para um comer o outro, e ficar um só?”.

Com André Brito e Tiago Vasconcelos

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cláudio Humberto

MP camarada garante calote milionário das aéreas
Janela partidária se abre para debandada geral
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa