Domingo, 03 de Julho de 2022

Home em foco Pegar covid duas ou mais vezes ao ano pode se tornar comum

Compartilhe esta notícia:

Ter covid uma, duas ou até três vezes ao ano pode ser uma realidade concreta para pessoas que seguirem expostas sem barreiras à variante ômicron e suas subvariantes. O cenário é traçado por especialistas que conduziram um estudo na África do Sul e confirmado também pela experiência prática de médicos brasileiros.

Na África do Sul, pesquisadores da Universidade Stellenbosch analisaram quase 3 milhões de testes positivos de laboratório registrados até janeiro deste ano.

Em artigo publicado na revista científica “Science”, eles apontam que reinfecções eram eventos raros, quase nulos, nas ondas provocadas pelas variantes beta e delta. Entretanto, depois de 31 de outubro de 2021, com o aparecimento da ômicron, a pesquisa localizou indivíduos que tiveram até três casos de reinfecção.

“A culpada foi a variante ômicron, que surgiu rapidamente, com múltiplas mutações na proteína spike. A principal vantagem dessa variante é sua capacidade de evitar a imunidade adquirida naturalmente (por infecção anterior)”, apontam os pesquisadores.

Nas ondas pré-ômicron da pandemia, casos de reinfecção eram raros e investigados: estudo na “The Lancet” associava as ocorrências pontuais à queda da imunidade após seis meses da imunidade adquirida. No recente estudo africano, as reinfecções foram verificadas em intervalos menores: 90 dias (três meses).

Infecções possíveis

Os dados da África encontram respaldo na experiência de médicos brasileiros que também se deparam com casos seguidos de reinfecção desde a chegada da variante.

“O número de vezes que uma pessoa pode ter covid a gente ainda não sabe – provavelmente, infinitas vezes. Já tem pessoas com três, quatro infecções relatadas. Ou seja, não há imunidade duradoura na covid – assim como para outras doenças respiratórias, como rinovírus”, explica Alberto Chebabo, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Alguns motivos tornam possível ter covid várias vezes:

— As vacinas que temos hoje nos protegem contra casos graves da covid, mas não contra a infecção pelo coronavírus. Além das máscaras, uma possibilidade de defesa seriam as vacinas nasais, que ainda estão sendo testadas;

— A variante ômicron, que é a dominante no Brasil, tem capacidade de escapar, em parte, à proteção que é concedida pelas vacinas.

— Algumas subvariantes da ômicron, mais contagiosas, também passaram a circular, facilitando as reinfecções.

Mas nem tudo está perdido: se, de um lado, os casos de covid mostram sinais de aumento, a tendência é de que não tenhamos uma onda de mortes e hospitalizações como as vistas nos últimos dois anos.

Um outro ponto é que as máscaras continuam sendo as principais aliadas para quem busca proteção contra a infecção no atual momento.

Proteção

Um fator já conhecido é que as vacinas que temos hoje protegem contra casos graves da covid, mas não contra a infecção. Um dos motivos para isso é que a infecção pelo coronavírus ocorre principalmente pela mucosa nasal. E as vacinas são dadas no braço, de forma intramuscular.

Uma forma de evitar a infecção seria, portanto, impedir que o vírus se multiplique exatamente em seu ponto de entrada no corpo: no nariz.

Assim, no mundo ideal, uma vacina nasal poderia ajudar o corpo a “produzir anticorpos que capturam o vírus antes mesmo que ele tenha a chance de se ligar às células”, explicou, em um artigo publicado nesta semana no jornal “The New York Times”, a pesquisadora Akiko Iwasaki, da universidade americana de Yale.

Um outro detalhe é que as vacinas de hoje provocam pouca produção de um anticorpo chamado IgA – no que as vacinas nasais poderiam ajudar, esclarece o médico Salmo Raskin, geneticista e pediatra diretor do Laboratório Genetika, em Curitiba.

“Ela [a vacina nasal] tem o potencial de, na mucosa da célula nasal, provocar a produção do anticorpo IgA. Como é pelo nariz que o coronavírus entra no nosso corpo, a gente pode estar falando pela primeira vez de uma barreira contra infecção”, afirma.

Variantes x vacinas

Um ponto importante na reinfecção, mesmo entre vacinados, é que parte da proteção vacinal “enfraquece” com o passar do tempo. Por isso, antes mesmo do surgimento da ômicron, uma dose de reforço da vacina já começava a ser anunciada.

Mas, com o aparecimento da variante, a dose de reforço – ou duas, no caso de grupos como idosos e pessoas com problemas no sistema imune – passou a ser essencial. Isso porque a ômicron tem capacidade significativa de escapar à proteção concedida pelas vacinas de hoje.

“Toda vez que tem transmissão se mantendo, a gente está dando oportunidade para [o vírus] ter mutações, aí podemos ter novas ondas. A grande preocupação é ter novas VOCs [sigla em inglês para “variantes de preocupação”, como a ômicron] que vão diminuir a efetividade das vacinas que nós temos”, diz a epidemiologista Ethel Maciel, professora titular da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

A capacidade da ômicron de escapar às vacinas surgiu da quantidade e do tipo de mutações que ela reuniu – principalmente no pedaço do vírus que serve para ele infectar as nossas células, chamado de RBD.

Até agora, uma terceira dose de vacina tem sido suficiente para evitar hospitalizações e mortes pela covid, mesmo com o surgimento da ômicron.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Saiba se os brasileiros que moram no exterior precisam declarar o Imposto de Renda
Dúvidas e suspeitas: hepatite misteriosa instiga investigação mundial
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News