Quarta-feira, 18 de Maio de 2022

Home em foco Pfizer anuncia adiamento da vacina contra a variante ômicron do coronavírus

Compartilhe esta notícia:

A entrega da vacina da Pfizer e da BioNTech para combater a variante ômicron da coronavírus foi adiada por várias semanas devido a um processo de coleta de dados mais lento do que o esperado, disse o presidente-executivo da BionTech, Ugur Sahin, nesta quinta-feira (17).

Ainda segundo Sahin, quando a vacina estiver pronta, a empresa avaliará se ainda será necessária.

“Se a onda terminar, isso não significa que não possa começar de novo”, disse ele ao jornal alemão Bild em uma entrevista em vídeo, acrescentando que a BioNTech estava em posição de continuar criando novas vacinas à medida que surgissem variantes, se necessário.

Para Sahin, o mundo está “cada vez mais preparado” para enfrentar as novas variantes da covid-19 com as quais terá que conviver durante anos.

“O vírus continuará sofrendo mutações e já há outras variantes circulando no mundo”, afirmou, em entrevista. “Mas eu realmente não vejo mais a situação tão dramática.”

A BioNTech esperava lançar a vacina até o final de março, mas disse no final de janeiro que isso dependia de quanta informação os reguladores de dados clínicos exigiriam.

Pílula

Neste semana, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou ter recebido o pedido de uso emergencial do Paxlovid, tratamento oral contra a covid da Pfizer. O prazo de avaliação da agência é de 30 dias. Durante o período, a Anvisa vai avaliar estudos que demonstram a capacidade da pílula em reduzir mortes e hospitalizações.

Ainda em 19 de janeiro deste ano, a agência e o laboratório realizaram uma reunião de pré-submissão. Nas primeiras 24 horas de análise, é feita triagem do processo e, caso faltarem “informações importantes”, o órgão pode solicitá-las à empresa.

Em nota, a Pfizer Brasil disse que a disponibilidade do medicamento no País depende da aprovação da Anvisa e do andamento das negociações com o Ministério da Saúde para um possível acordo de compra.

A empresa brasileira também lembrou que a projeção de produção da Pfizer Inc. é de 80 milhões a 120 milhões de doses do tratamento até o final deste ano. Aos menos 10 milhões estão prometidos para os Estados Unidos.

A empresa informou também que elevou sua projeção de produção. De 80 milhões tratamentos, agora, com novos investimentos, pretende manufaturar 120 milhões em 2022.

A Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora americana equivalente à Anvisa, autorizou o uso emergencial da pílula da Pfizer em dezembro do ano passado. A recomendação de administração do Paxlovid foi para pacientes adultos e pediátricos (maiores de 12 anos com ao menos 40kg) com covid que tenham alto risco de desenvolver quadros graves da doença.

Segundo a farmacêutica, o Paxlovid reduz em 89% o risco de internação e morte em decorrência da doença entre os adultos mais vulneráveis ao vírus, tratados dentro de três dias após o início dos sintomas. Para aqueles que receberam o tratamento após cinco dias dos sintomas, a redução de risco de hospitalização e morte fica em 88%. Em análise intermediária, a taxa foi de 85%. Conforme a farmacêutica, testes em laboratórios indicaram que o produto funciona contra a variante ômicron.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Subvariante BA.2 é mais agressiva que a ômicron, indica novo estudo
No Telegram, grupo antivacina espalha inverdades ao sugerir que imunização cria novas variantes do coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa