Segunda-feira, 04 de Julho de 2022

Home Cláudio Humberto Prazo sobre impeachment inclui ministros do STF

Compartilhe esta notícia:

O julgamento de imposição de prazo para o presidente da Câmara decidir sobre pedidos de impeachment do presidente da República levará os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a experimentarem o velho adágio “pau que bate em Chico, bate em Francisco”. É que, por isonomia, também ficaria definido prazo para o presidente do Senado deliberar sobre o impeachment contra ministros do STF. Só contra Alexandre de Moraes são 29 pedidos na gaveta de Rodrigo Pacheco.

Gaveta lacrada

Desde 2019, foram apresentados 63 pedidos de impeachment no Senado contra ministros do STF. Mas nenhum deles deu em processo.

Julgamento virtual

Primeiro, os ministros do STF decidirão se é caso para ser julgado no plenário virtual ou no presencial. A tendência é que fique no virtual.

Sem prazo

A relatora do caso, ministra Cármen Lúcia, que defende o julgamento virtual, é contra a fixação de prazo para o presidente da Câmara decidir.

Decisões criativas

A ministra alega que a Constituição não fixa prazo, como quer a oposição a Jair Bolsonaro. Mas no STF, em geral, isso não impede decisões.

Governos de esquerda têm desemprego elevado

A divulgação da Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar Contínua (PNAD) mostrou que o desemprego no Brasil continua em 11,1%, mas confirmou a disparidade entre os estados. A Bahia, governada pelo PT há 16 anos, tem o pior nível de desemprego (17,6%), seguido de perto por Pernambuco (17%), que é comandado pelo PSB por igual período. O Maranhão, que esteve nas mãos do PCdoB, está entre os piores níveis de desalentados, empregados com carteira assinada e de informalidade.

Difícil explicar

Intriga até os mais experientes analistas a perenidade de governos de esquerda em alguns estados, apesar do fraco desempenho econômico.

Movendo a economia

Focados no agro e governados por partidos mais à direita, Mato Grosso (5,3%) e Mato Grosso do Sul (6,5%) também têm baixo desemprego.

O oposto

Do outro lado, Santa Catarina, governado há 20 anos por partidos de centro e de direita, tem o menor nível de desemprego, apenas 4,5%.

Tira a mão do meu bolso

Como essa gente só pensa nisso, pré-candidatos já estão oficialmente autorizados, a partir de hoje, apesar do bilionário Fundão Eleitoral, a incomodar eleitores pedindo doações para suas campanhas. Vergonha.

Contra a PF, nunca

Assim como Psol, todos os partidos de oposição como PDT, PV, PCdoB, Rede – e até o PT – também votaram a favor da MP do presidente Jair Bolsonaro que estrutura o plano de saúde dos policiais federais.

Não é difícil entender

Entre as sete maiores empresas petroleiras do mundo, segundo levantamento do Diário do Poder, a Petrobras é a que menos fatura, mas tem o terceiro maior lucro; que representa mais de 10% do que arrecada.

Internacionalização

A OCDE convidou o Brasil a aderir a dois códigos da organização: um trata de fluxo do dinheiro para o país (transferências, compra e venda de moeda etc.), o outro sobre a prestação de serviços “transfronteiriços”.

Novo hábito

Levantamento Pew Research realizado nos Estados Unidos, no início deste mês, revela um novo hábito pós-pandemia: 71% dos americanos dizem que pensam em usar máscaras em público, caso fiquem gripados.

Pix é um sucesso

O pix caiu no gosto do brasileiro. A Confederação de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que é usado por 70% das pessoas, ainda perde para o dinheiro vivo (71%) e ganha de cartões de crédito (57%) e débito (66%).

Ajuda do agro

Os alimentos têm pressionado a inflação, mas a Conab verificou alta de 5,7% na expectativa da safra de grãos 2021/22, que deve superar a marca de 270 milhões de toneladas, reduzindo a pressão inflacionária.

O brasileiro só paga

A união da companhia aérea brasileira Gol com a colombiana Avianca, que prevê investimentos de R$350 milhões, vai ser oficializada através de uma “empresa-mãe”, Abra, com sede… no Reino Unido.

Pensando bem…

…corte de impostos só é ruim para o governo.

PODER SEM PUDOR

Bom da cabeça

O governador do Ceará, Virgílio Távora, adorou ser aplaudido com entusiasmo ao chegar no Asilo de Pirangaba. A direção do hospício havia preparado uma bela festa para o governador, na esperança de que ele resolvesse suas eternas dificuldades financeiras. Em meio à festa, um assessor de Távora percebeu que apenas um doente não aplaudia seu chefe. Foi até o homem e perguntou por que ele não batia palmas. A resposta foi imediata: “Porque eu não sou doido, oras”.

(Com a colaboração de André Brito e Tiago Vasconcelos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cláudio Humberto

Sob governo de direita, SC registra pleno emprego
Saiba tudo que precisa para diminuir os sintomas da sua hérnia de disco
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde