Domingo, 14 de Julho de 2024

Home Economia Presidente da Petrobras diz que Lula jamais prometeu que os preços dos combustíveis nunca mais subiriam

Compartilhe esta notícia:

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, disse que o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, nunca prometeu que os preços dos combustíveis não subiriam mais.

“[O presidente Lula] jamais prometeu que o preço nunca mais subiria, [como se dissesse:] ‘Vou me eleger e nunca mais vou subir o preço do combustível’”, afirmou Prates em entrevista na noite desta segunda-feira (02).

O presidente da estatal também pontuou que o atual mandatário nunca mencionou que o país deixaria de lado referências internacionais ao “abrasileirar” as tarifas, termo cunhado por Lula.

“Também não houve desgarramento [dos preços internacionais]. [O presidente] Nunca disse [que] nós vamos descolar completamente da referência internacional”, emendou Prates. “Isso seria uma temeridade, porque nós não só importamos ainda parte dos produtos, como estamos inseridos na comunidade internacional.”

Prates reiterou que a estatal tem total independência na definição dos preços dos combustíveis. “O governo não manda a gente subir, nem descer, nem segurar, nada disso”, afirmou.

O presidente da petroleira também voltou a criticar a política de PPI (preço de paridade de importação), adotada na gestão de Pedro Parente, em 2017, a qual classifica como “nefasta”.

O tema também é alvo de críticas do presidente Lula e de outros membros do governo desde a campanha eleitoral. “Aquilo era irreal, era aplicar o preço do pior concorrente do mercado e garantir a ele suas ineficiências. Ali a Petrobras perdeu market share, ali a Petrobras não reagiu àquela imposição, que era um absurdo”, defendeu Prates.

Recompra de refinarias

O presidente da Petrobras afirmou concordar com o entendimento do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, sobre a necessidade de recompra de refinarias.

“Eu concordo politicamente com as falas do ministro de Minas e Energia sobre recomprar refinarias. A análise está em curso, mas não podemos falar publicamente”, afirmou.

Questionado sobre a estatal estar realizando práticas predatórias de mercado, vendendo petróleo com preços diferentes entre as refinarias próprias e unidades privadas, o executivo acrescentou que a Petrobras tem o direito de fazer a integração vertical de seus negócios.

Prates acrescentou ainda que estuda, dentro do mercado de refino, a expansão da capacidade de produção de biocombustíveis, destacando o plano de investimentos realizado pela Acelen, empresa criada pelo Mubadala Capital.

“Uma parceria com a refinaria da Bahia [Acelen] nos parece uma aproximação válida. Temos um projeto grande sobre biocombustíveis, onde a Petrobras tem terras na região”, afirmou Prates.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Governo do Rio Grande do Sul propõe antecipação do 13° salário e reajuste no vale-refeição dos servidores
Minirreforma eleitoral: Senado adia votação, e regras não valerão para eleições municipais de 2024
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News