Quinta-feira, 13 de Junho de 2024

Home Mundo Presidente dos Estados Unidos e aliados europeus afirmam “determinação de continuar pressionando a Rússia”

Compartilhe esta notícia:

Os presidentes dos Estados Unidos, França, Alemanha, Itália e o primeiro-ministro do Reino Unido “afirmaram sua determinação em continuar aumentando os custos contra a Rússia por seus ataques brutais na Ucrânia”, em uma ligação na manhã desta terça-feira (29), de acordo com um comunicado da Casa Branca.

Os chefes de Estado também concordaram em continuar “fornecendo assistência de segurança para a Ucrânia se defender contra esse ataque injustificado e não provocado”.

“Eles revisaram seus esforços para fornecer assistência humanitária aos milhões afetados pela violência, tanto na Ucrânia quanto em busca de refúgio em outros países, e destacaram a necessidade de acesso humanitário aos civis em Mariupol”, diz o texto a Casa Branca.

“Também discutiram a importância de apoiar mercados de energia estáveis ​​à luz das atuais interrupções devido a sanções”, acrescenta a nota. Mais cedo, um porta-voz do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que os líderes concordam com a necessidade contínua de “apoiar e sustentar” o povo da Ucrânia contra a “barbárie russa”.

“O primeiro-ministro ressaltou que devemos julgar o regime de Vladimir Putin por suas ações, não por suas palavras. Putin está torcendo a faca na ferida aberta da Ucrânia em uma tentativa de forçar o país e seus aliados a se render”, adicionou o porta-voz.

Biden e primeiro-ministro de Singapura condenam invasão russa

O presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien Loong, disseram, em uma declaração conjunta nesta terça-feira, que, após a reunião de hoje, as duas nações “reconhecem que as ameaças à Carta da ONU e à ordem internacional em qualquer lugar, incluindo o ataque não provocado da Rússia à Ucrânia, colocam paz e prosperidade em todo o mundo em risco”.

“A guerra na Ucrânia tem um impacto negativo na região do Indo-Pacífico, que já enfrenta muitos desafios complexos. Juntos, as oportunidades e os desafios do século 21 exigem uma cooperação mais profunda entre nós”, escreveram os dois líderes.

De acordo com a Casa Branca, os dois “resolvem expandir ainda mais a cooperação bilateral, dando novos passos ousados ​​para impulsionar o crescimento econômico e a inovação de base ampla, elevar os padrões de infraestrutura na região, enfrentar a crise climática, promover a segurança da saúde, aumentar a resiliência da cadeia de suprimentos, melhorar a segurança cibernética, garantir a sustentabilidade a longo prazo das atividades do espaço sideral e muito mais”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Pedido da taxa de isenção no Enem 2022 começa na segunda-feira
Os Estados Unidos veem grande mudança de estratégia conforme a Rússia se afasta de Kiev
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News