Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Home Política Preso por esconder malas de dinheiro, ex-ministro cursou até aulas de cozinha na prisão para ter liberdade condicional

Compartilhe esta notícia:

O ex-ministro Geddel Vieira Lima, que recebeu o benefício da liberdade condicional na semana passada pelas mão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, apresentou para abatimento da pena, ter realizado diversos cursos e a resenha de livros durante seu tempo de carceragem. Dentre as atividades, ele fez formação em auxiliar de pedreiro, auxiliar de cozinha e resenha de vários livros como “Hibisco Roxo”, de uma escritora feminista Chimamanda Ngozi Adichie, além de um clássico da literatura, “Crime e Castigo”.

Geddel responde pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa no caso das malas com cerca de R$ 51 milhões encontradas em um apartamento em Salvador (BA), que ficou conhecido como “bunker da propina”.

Além da progressão de regime, o ministro também reduziu a pena de Geddel em 681 dias por motivos de trabalho e estudo. Na decisão, Fachin argumentou que o ex-ministro participou de cursos de capacitação profissional, se dedicou à leitura e elaboração de resenhas além de ter sido aprovado em quatro áreas do conhecimento no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Além disso, foi destacado que Geddel também cumpriu atividades laborais tanto no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, quanto no Centro de Observação Penal, em Salvador.

“O que se busca é incentivar e premiar a dedicação efetiva aos afazeres potencialmente valiosos para o retorno ao convívio social”, disse Fachin.

Na decisão, o ministro afirmou que as condições para permitir a liberdade condicional foram cumpridas, como cumprimento de mais de um terço da pena, não ser reincidente em crime doloso, ter bom comportamento, bom desempenho no trabalho e não ter cometido falta grave nos últimos 12 meses.

Filiado ao MDB, Geddel Vieira Lima foi deputado federal pela Bahia por cinco mandatos consecutivos, além de ministro da Integração Nacional do governo Lula e ministro-chefe da Secretaria de Governo de Michel Temer.

Geddel cumpre pena desde julho de 2017, quando foi decretada sua prisão provisória. Ele e o irmão, o também ex-deputado Lúcia Vieira Lima, foram condenados pela Segunda Turma do STF em outubro de 2019. Geddel foi condenado a 14 anos e dez meses de prisão; Lúcio, a 10 anos e seis meses, além de pagar um valor de R$ 52 milhões por danos morais.

Por causa da pandemia de covid-19, o ex-ministro estava em prisão domiciliar desde julho de 2020. Já em setembro do ano passado, o ex-ministro obteve a progressão para o regime semiaberto por ter cumprido um sexto da pena. Agora, em liberdade condicional, Geddel vai poder trabalhar e voltar para casa.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Entenda o que muda com a federação partidária, que estreia nas eleições deste ano
Vestibular da UFRGS 2022 tem segundo dia de provas; confira as orientações
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde