Sábado, 24 de Fevereiro de 2024

Home Mundo Proteção da dose de reforço contra a Ômicron sintomática diminui em dez semanas, diz estudo britânico

Compartilhe esta notícia:

Novos dados do Reino Unido sugerem que a proteção obtida com as doses de reforço contra a Covid-19 sintomática causada pela variante Ômicron diminui em cerca de dez semanas.

Ainda não houve um número suficiente de casos graves da Ômicron para que os pesquisadores possam calcular o potencial de proteção do reforço contra os desdobramentos mais severos da doença, porém os especialistas acreditam que a dose extra ainda continuará sendo uma significativa aliada contra hospitalização e morte.

“Levará algumas semanas até que a eficácia contra formas graves da Ômicron possa ser estimada”, observou o novo relatório, da Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido “No entanto, com base na experiência com variantes anteriores, é provável que seja substancialmente maior do que as estimativas contra doenças sintomáticas.”

Pandemia em 2022

Este fim de ano será decisivo para saber o tamanho do estrago que a Ômicron causará. Mas é fato que 2022 começará como 2021: à espera de vacinas. Desta vez, do reforço delas, como defesa contra a nova variante do coronavírus. Quem não tem ainda as duas doses deve correr para tomar. Quem já tomou, como pouco mais de 65% dos brasileiros, precisa ficar atento para a data da terceira.

Também é consenso que grandes eventos com aglomerações, como réveillon e carnaval, serão festa para o vírus e podem acentuar e prolongar a pandemia. Devem ser evitados, recomendam os especialistas. Máscara, distanciamento social e higiene continuam aliados valiosos para se manter longe da covid e, agora, também da gripe.

Velocidade assombrosa – É uma certeza que a Ômicron se espalha de forma espantosamente rápida. Ela já está em 77 países e deve se tornar dominante na Dinamarca em dias. Na Noruega, com apenas 5,3 milhões de habitantes, são projetados 100 mil casos/dia até o fim de janeiro, se medidas de distanciamento social não forem tomadas. O número de casos em território dinamarquês dobrou em uma semana. “O que vemos é extraordinário”, escreveu na Science Troels Lillebæk, da Universidade de Copenhague.

Jorge Kalil, diretor do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração, ligado à Universidade de São Paulo (USP), sintetizou o que se sabe até o momento. Em palestra no evento “Estratégias para o enfrentamento das variantes do Sars-CoV-2”, promovido pela Academia Nacional de Medicina, a Academia Brasileira de Ciências e a Rede Vírus do MCTI, Kalil ressaltou que a cepa Ômicron escapa ao menos parcialmente do sistema imunológico, provoca reinfecção e reduz a potência das vacinas atuais.

Porém, completou ele no evento, doses de reforço das vacinas conseguem aumentar o número de anticorpos neutralizantes e são importantíssimas. Aparentemente, a Ômicron causa doença mais moderada na maioria das pessoas, mas isso não é desculpa para a complacência.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Menino herói com apenas 11 anos salvou duas pessoas no mesmo dia
Homem explode carro Tesla após descobrir valor do conserto
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News